CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR R$ 14,90/MÊS

Dê a volta por cima: reunimos lições de serenidade para superar o divórcio

Gwyneth Paltrow e Eliana... O que a atriz americana e apresentadora brasileira têm em comum? Ambas tiveram o fim de seus casamentos tornado público na última semana e mostram como é possível dar a volta por cima nesta situação delicada.

Por Redação M de Mulher Atualizado em 15 jan 2020, 06h10 - Publicado em 1 abr 2014, 21h00

Gwyneth Paltrow e Eliana tiveram o fim de seus casamentos tornado público na última semana.
Foto: Getty Images / SBT – Divulgação

Ninguém se casa pensando que um dia poderá se separar. Mas isso acontece com frequência. Se o relacionamento vai de mal a pior, você pode se divorciar na hora que quiser – sem dar satisfação a ninguém. Claro que tomar essa decisão não é fácil, ainda mais quando envolve os filhos pequenos. Um dos casais mais “queridinhos” do mundo das celebridades, Gwyneth Paltrow e Chris Martin, vocalista do Coldplay, colocaram, na semana passada, um ponto final na relação após 10 anos de união. A notícia pegou toda a imprensa americana de surpresa, já que os artistas, que são pais de Apple, 9 anos, e Moses, de 7, nunca deram indícios de estarem passando por uma crise. O anúncio do término foi feito pela atriz em seu site oficial, o Goop: “É com os corações cheios de tristeza que nós decidimos nos separar. Analisamos a situação duramente por um ano inteiro, às vezes juntos, às vezes separados, para descobrirmos o que ainda era possível haver entre nós. Chegamos à conclusão de que, por nos amarmos muito, devemos permanecer separados”.

Aqui no Brasil também aconteceu algo parecido. A apresentadora Eliana anunciou aos fãs que seu casamento havia chegado ao fim em fevereiro deste ano. Ela e o empresário João Marcello Bôscoli estavam juntos havia oito anos e moravam na casa dela, em São Paulo. Da união, nasceu Arthur, que hoje tem 2 anos. Eliana sempre foi discreta a respeito de sua vida pessoal, mas desta vez não deu nenhuma brecha nem nos bastidores do trabalho. Segundo pessoas próximas do casal, ambos eram muito ciumentos.

Motivos à parte, claro que Gwyneth e Eliana ficaram mal, assim como qualquer pessoa fica após o final de um casamento. Elas não estão sozinhas! Como muitas outras mulheres em famílias anônimas e famosas, a história das duas envolve uma boa dose de empenho em tentar superar esta fase delicada. Mesmo depois de passar por toda a dor e a tristeza, é possível ficar bem e, acredite, até melhor do que estava durante o casamento cheio de crises. Inspire-se na história das artistas e veja as lições de serenidade da psicóloga Karen Camargo para evitar sofrimento após o divórcio:

Deixe os outros para lá
Aos sentimentos de impotência e frustração costumam somar-se o constrangimento de dizer-se ”divorciada”. Afinal, se você própria acredita não ter sido capaz de ”segurar um casamento”, imagine o que os outros vão pensar. Pois deixe essa insegurança de lado! ”Só os envolvidos podem justificar um divórcio. Ignore as opiniões alheias”, aconselha a psicóloga Karen Camargo, de São Paulo. Uma dica para vencer esse preconceito é espalhar logo a notícia. Dessa forma, você facilita o processo de resignação e retira seu estado civil da condição de vergonhoso.

Continua após a publicidade

Dê tempo ao tempo
”Quem se divorcia vive questões muito próximas ao luto. ‘Enterra’ uma série de expectativas não concretizadas, sofrimentos, desilusões”, explica Karen. Portanto, a recuperação não acontece de um dia para o outro. ”Embora o tempo de restabelecimento varie de pessoa para pessoa, de uma maneira geral, um ano é um bom período para se reconstruir a vida”, complementa a psicóloga.

Concentre-se no presente
Enquanto digere os traumas do fim da relação, vá excluindo da sua frente – e da sua vida! – objetos que lembrem o ex. Isso inclui desde uma poltrona até um vestido adorado por ele. Nesse momento de análise da relação e, consequentemente, de si mesma, você também deve dar um novo significado a seus valores, gostos, opiniões e sonhos.

Não tema mudanças
Poucos momentos são tão propícios a transformações pessoais quanto o fim de um relacionamento. Assim, aproveite para cortar os cabelos, arriscar um novo tom de esmalte, comprar um vestido mais justo… Mudanças são bem-vindas, basta respeitar a regra do equilíbrio. Ou seja, não radicalizar de um dia para o outro, mas também não se apegue ao passado como única alternativa de felicidade.

Desabafe sem medo!
Escolha um dia para ser egocêntrica, corra para o colo de uma amiga e descarregue tudo. Abra seu coração e não tema parecer frágil. Se faltar colega disposta a desempenhar o papel de conselheira, faça o mesmo usando papel e caneta. O importante é desabafar!

E as crianças?
Um estudo feito durante 30 anos pela psicóloga americana Mavis Hetherington revelou que 80% de filhos de pais separados superam o trauma e levam uma vida normal. Portanto, não se preocupe exageradamente com as crianças e invista sua energia em superar a situação: se a mãe estiver bem e os pais conseguirem manter uma relação saudável, eles também vencerão o divórcio sem grandes dificuldades.
 

Continua após a publicidade
Publicidade