Como se comportar ao se desligar da empresa

A impressão que você deixa na empresa pode ser importantíssima em outro momento de sua carreira

Como se comportar ao se desligar da empresa

Enquanto estiver no emprego, cumpra os horários e termine seu trabalho, não deixando tarefas incompletas para os outros
Foto: Getty Images

Se você está prestes a deixar a empresa onde trabalha – seja qual for o motivo -, é preciso planejar com cuidado como fazer isso. Sair de bem com seu chefe, com a companhia e com os colegas pode ser fundamental para sua carreira, afinal, em muitos casos, a última impressão é a que fica. E nunca se sabe se daqui a alguns anos eles vão cruzar sua vida profissional novamente. A fim de evitar tropeços nessa hora, analise algumas regras de conduta para as situações mais comuns em que se pede demissão.

Está sendo “frita”

Em geral é fácil perceber quando o chefe espera ansiosamente que se peça a conta. Se há anos você não recebe promoção ou aumento, não é incumbida de tarefas relevantes nem convocada para reuniões, é esse o seu caso. O quadro torna-se mais claro se seu trabalho é sempre criticado e você passa a ser desautorizada perante subordinados. E chega a um ponto insustentável quando todas as suas observações são desconsideradas e o chefe evita até olhar nos seus olhos no corredor.

Como agir: Não espere muito para tomar providências. Como a circunstância é desgastante e constrangedora, a tendência é você se tornar uma pessoa amarga e cheia de reclamações, criando uma péssima imagem perante os colegas. Acione contatos em busca de uma recolocação (costuma ser mais fácil enquanto se está empregada) e peça ao seu chefe para conversar em particular com ele.

O que dizer: Mesmo que a situação seja decorrente de implicâncias pessoais do chefe – o que não é incomum, pois diferenças de personalidade e de opiniões, para muita gente, inviabilizam a convivência profissional -, evite tirar satisfações. Mantenha a conversa no âmbito do trabalho e diga que está preocupada, pois o clima não tem sido produtivo para você nem para a empresa e gostaria de saber como melhorá-lo.

Na saída: Se for concluído que a sua saída é a única alternativa, você tem duas opções: esperar até ser dispensada ou pedir demissão. “Na maioria das vezes é melhor escolher a segunda e manter o currículo ‘limpo’, a não ser quando o fato de ser mandada embora não afeta a trajetória profissional, como no caso de cargos de confiança, em que a demissão é decorrente apenas de troca de chefia”, diz Gladys Bellotto, consultora de recolocação profissional, de São Paulo. É até possível que seu chefe se sinta aliviado e – se o problema era causado por incompatibilidades pessoais – que dê boas referências a seu respeito a um futuro empregador. Lembre: por mais que tenha sido “fritada” injustamente, nunca saia pela empresa extravasando sua raiva; reserve os comentários para os amigos.

Não aguenta mais

As razões para isso podem ser as mais variadas, porém os sintomas são geralmente os mesmos: falta de motivação, cansaço permanente e irritação com o chefe e com os colegas.
Como agir: Não espere chegar a um estágio insustentável para procurar outro emprego, mesmo porque, nessas condições, sua performance e a maneira de lidar com as pessoas podem decair tanto que correrá o risco de ser demitida e de criar inimizades. “Além disso, quem está saturado tende a agarrar a primeira oportunidade de mudança que cruza seu caminho, fazendo, muitas vezes, péssimas escolhas”, alerta a psicóloga de relações de trabalho Tânia Casado, de São Paulo. Reserve algumas horas por semana para procurar uma nova colocação ou faça isso nas férias – caso estejam agendadas para logo -, mas evite comentar o assunto com os companheiros de trabalho.

O que dizer: Se tomou mesmo a decisão de sair, não entre em detalhes sobre os motivos de seu descontentamento, pois, nessas situações, a franqueza pode gerar animosidade e acabar fechando portas. Diga ao seu chefe que a experiência foi enriquecedora, mas que agora deseja se dedicar a outros projetos para desenvolver novas habilidades.

Na saída: Se for deixar o trabalho sem outro em vista, não revele isso ao chefe, pois ficará clara sua extrema insatisfação ou então parecerá simplesmente irresponsável. Lembre-se de que a melhor época para essa mudança é de março a setembro, quando as empresas estão mais abertas para contratações. “Currículos enviados a partir de outubro costumam ser analisados no ano seguinte”, ressalta Gladys Bellotto. Ficar vários meses em casa, além de ter evidentes implicações financeiras, não é recomendável para o currículo nem para o bem-estar emocional. Caso aconteça, aproveite o período para fazer cursos intensivos de línguas e de reciclagem profissional ou que sirvam para redirecionar a carreira.

Mudará para melhor

Um salário maior e funções mais animadoras esperam você em breve, mas isso não é desculpa para largar seus projetos pela metade e passar o resto do seu tempo na empresa comentando quão maravilhoso será seu novo emprego.

Como agir: Resista à tentação de falar sobre a proposta com os colegas e informe seu chefe em primeira mão.

O que dizer: Mesmo que você já tenha resolvido aceitar o outro emprego, não deixe transparecer que a decisão está tomada. Enfatize o quanto você gosta dali e espere para ver se aparece uma contraproposta tentadora.

Na saída: Se optar pela mudança, além de dispensar comentários sobre as vantagens da próxima ocupação, nem pense em expor os defeitos da atual. Seus colegas continuarão ali e podem considerar suas observações grosseiras.
No novo emprego, jamais fale mal do anterior, pois será vista como alguém pouco confiável e estará desvalorizando seu histórico profissional. Se seu cargo for de chefia, evite levar para a outra empresa várias pessoas da antiga, pois será considerado antiético pelas duas.