CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR R$ 14,90/MÊS

Cinco musicais para ter na prateleira, por Mihay Freira

Belas trilhas, danças inesquecíveis e um pouco de romance

Por Redação M de Mulher Atualizado em 16 jan 2020, 05h08 - Publicado em 27 jan 2013, 21h00

 

1.Romeu e Julieta(1996). Surpreendente pela linguagem da edição e pela estética moderna, que contrastam com a obra de Shakespeare, já que o diretor, Baz Luhmann manteve o texto original, escrito há mais de 400 anos
 
Cinco musicais para ter na prateleira, por Mihay Freira

“Surpreendente pela linguagem”
Foto: Divulgação

2.Moulin Rouge!(2001). O filme nos conduz para dentre do mundo dos cabarés parisienses do fim do século 19 e que encontramos nas pinturas de Toulouse-Lautrec: o universo boêmio dos artistas franceses da época

 

Continua após a publicidade
Cinco musicais para ter na prateleira, por Mihay Freira

“Mundo dos cabarés parisienses”
Foto: Divulgação

3.Cantando na chuva(1952). Classicão que nos seduz, especialmente por ter a presença iluminada de Gene Kelly, que codirige o filme com Stanley Donen. É, claro, pela antológica cena dele dançando na chuva com seu guarda-chuva. Simplesmente linda!

 

Continua após a publicidade
Cinco musicais para ter na prateleira, por Mihay Freira

“Classicão que nos seduz”
Foto: Divulgação

4.Alta Sociedade(1956).  Dirigido por Charles Walters, conta com a excelente trilha de Cole Porter e com Frank Sinatra e Louis Armstrong no elenco. Além disso, temos a atuação de Grace Kelly

 

Continua após a publicidade
Cinco musicais para ter na prateleira, por Mihay Freira

“conta com a excelente trilha de Cole Porter”
Foto: Divulgação

5. Amor Sublime Amor(1961). Outra versão de Romeu e Julieta. Com a direção de Robert Wise, o filme me marcou principalmente pela coreografia de Jerome Robbins e pela música de Leonard Bernstein, que representam com maestria a guerra de gangues nos bairros pobres de Nova York nos anos 50.

 

Continua após a publicidade
Cinco musicais para ter na prateleira, por Mihay Freira

“O filme me marcou principalmente pela coreografia de Jerome Robbins”
Foto: Divulgação

Continua após a publicidade
Publicidade