Bolo fake: vantagens de trocar o bolo verdadeiro por uma opção cenográfica

Artesã lista os prós e contras de cada material

Presença obrigatória em toda festa de aniversário, o bolo pode ser um dos maiores gastos da celebração, dependendo do tipo de decoração escolhida. Um bolo com decoração simples sem personagem em pasta americana, por exemplo, pode custar a partir de R$160 o quilo.

Especialista em bolos fake, a artesã Danielle Bonfim explica as vantagens de investir em um bolo falso. “O bolo fake, além de deixar a decoração mais bonita e rica em detalhes, acaba sendo mais barato que o bolo real”, destaca.

O custo benefício não é a única vantagem oferecida pelos bolos fake. Os materiais não comestíveis resistem melhor a altas temperaturas e podem ficar expostos na mesa por mais tempo sem perder o sabor ou atrair insetos, no caso de festas ao ar livre.

Para ela, a praticidade é justamente o fator determinante no sucesso deste tipo de bolo. A única desvantagem, segundo a artesã, é que o bolo cria expectativa nos convidados, mas não pode ser cortado.

Existem inúmeras técnicas utilizadas para criar bolos falsos. As mais populares, contudo, são o EVA e o biscuit. As versões em EVA são mais econômicas, com valores médios que variam entre R$60 e R$150 a peça. Com base de isopor, o bolo de EVA também costuma ser mais leve, o que facilita o transporte.

 

View this post on Instagram

#circo #bolosfakedanibomfim #bolocenográfico #bolofake

A post shared by Dani Bomfim (@dani_nbomfim) on

 

Os bolos de biscuit são mais resistentes, com maior durabilidade e acabamento mais realista. O processo de confecção é mais trabalhoso: o biscuit demora em torno de 25 dias para secar completamente. Cada bolo custa entre R$200 e R$600.