CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

Minha história de amamentação: Maria Emília Dinat, mãe de três

Em apoio ao Agosto Dourado e à Semana Mundial do Aleitamento Materno, mães compartilham suas experiências de amamentação

Por Lia Rizzo Atualizado em 2 ago 2018, 12h06 - Publicado em 2 ago 2018, 12h00

Na semana em que mães do mundo todo se mobilizam para lembrar da importância e dos benefícios do aleitamento materno e que, no Brasil, o mês é inteiramente dedicado à conscientização sobre o tema, CLAUDIA traz depoimentos diários de mães da vida real.

Maria Emília Dinat, 32, é fotógrafa, mãe de Joaquim, 6, Amelie, 4, e Iolanda, de um ano. A caçula desmamou há pouco. Entre os muitos afazeres de mãe de três, que não conta com baba ou outro tipo de ajuda externa diária, Maria compartilha na Internet as dores e delícias do dia a dia materno, em relatos e imagens muito sensíveis, mas principalmente realistas.

Ainda na maternidade, Maria Dinat amamentando Amelie, sua segunda filha, após um trabalho de parto de 64 horas. Arquivo Pessoal/Reprodução

“Amamentar foi uma das coisas mais difíceis que já fiz.  A parte complicada além da dor, foi o medo de não conseguir.  Os vários “se” me atormentavam. E se eu não conseguir? E se eu não tiver leite o suficiente? E se eu não aguentar? Mas nada como um dia após o outro. Chorando, eu falava para meus filhos ( usei o plural porque  amamentei 3 vezes e todas as vezes me questionei do mesmo jeito) : “se a mamãe não conseguir, isso não quer dizer que não amo vocês do fundo do meu osso”. Eu sabia que eles precisavam do que eu tinha no peito. Leite e sinceridade. Em todas as vezes eu tive o bico do meu peito mutilado. Em todas as vezes eu escutei que era culpa minha. Em todas as vezes eu não desisti. Seguimos firmes e fortes, com dor, com sangue, com amor. As vezes pensava que era melhor eu dar uma fórmula, viver sem tanto sacrifício, que já tinha feito minha parte. E no mesmo segundo que era tomada por esses pensamentos, eu olhava meu bebê com aquele olhar penetrante que te faz colocar o mundo nas costas e dar um jeito pra tudo. Eu sou capaz, meu corpo é capaz. Firmes e fortes, seguimos juntos, em livre demanda por vários e vários meses. Amamentar cura, acalma, nutri. Amamentar foi uma das coisas mais difíceis que já fiz, mas faria tudo de novo, mil vezes se fosse preciso.”

Maria e os filhos, em sua casa na cidade de Araraquara, onde vive com eles e o marido. Arquivo Pessoal/Reprodução

Leia também: Minha história de amamentação

Continua após a publicidade

Publicidade