70% das pacientes com câncer de mama podem dispensar a quimio, diz estudo

Remédio que bloqueia o hormônio estrogênio poderia ser usado no lugar

O estudo Tailorx, apresentado no domingo (3) em uma reunião da Sociedade Americana de Oncologia Clínica, em Chicago, aponta que muitas mulheres que têm câncer de mama em estágio inicial e seriam encaminhadas para a quimioterapia nos parâmetros atuais, na verdade, não precisam passar por esse tratamento.

“Os resultados indicam que agora podemos abdicar da quimioterapia em 70% das pacientes que seriam potenciais candidatas a ela, com base em aspectos clínicos”, disse Josh Sparano, líder do estudo e médico do Montefiore Medical Center, em Nova York, ao New York Times.

Esse número corresponde a cerca de 60 mil mulheres por ano nos Estados Unidos, de acordo com Joseph. No lugar da quimioterapia, seria usado um remédio que bloqueia o hormônio estrogênio, chamado tamoxifeno. Ele e outras medicamentos parecidos, conhecidos como terapias endócrinas, reduzem o risco de recidiva, de novos tumores de mama e da morte causada pela doença.

Segundo o jornal norte-americano, o estudo foi iniciado em 2006 com verbas dos governos do Canadá e dos EUA, bem como de organizações filantrópicas e da Genomic Health, empresa de teste genético.

No entanto, a terapia endócrina também pode ter efeitos colaterais, que incluem calores e outros sintomas associados à menopausa, ganho de peso e dores musculares e nas juntas. Além disso, o remédio tamoxifeno pode elevar o risco de câncer de útero.