Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Papa em mensagem de Natal: “Precisamos ser mais humildes”

"Quanto mais nos preocupamos com presentes, mais indiferentes ficamos com os que são marginalizados", disse o pontífice na Missa do Galo.

Por Débora Stevaux - Atualizado em 25 dez 2016, 16h53 - Publicado em 25 dez 2016, 16h45

Aconteceu, neste último sábado (24), a tradicional Missa do Galo, realizada na basílica de São Pedro, no Vaticano. E é praxe, em determinado momento da cerimônia, que o líder da Igreja Católica faça um discurso sobre a atual situação do mundo e destaque alguns pontos importantes para serem repensados no próximo ano.

Leia mais: Papa Francisco: “As pessoas não devem ser definidas apenas por sua identidade sexual”.

O Papa alertou para o esvaziamento do real sentido do Natal. Na ocasião, o pontífice disse que a nossa obsessão por presentes e festas acaba por nos transformar em pessoas egocêntricas. Ele ainda concluiu que precisamos de mais humildade: “Temos que nos libertar deste materialismo que nos torna refém.”

Veja também: Veja as fotos do encontro entre o Papa Francisco e o Antonio Banderas.

“Jesus nasceu rejeitado por alguns e foi visto por muitos outros com indiferença”, continuou Francisco. “Hoje também a mesma indiferença pode existir, quando o Natal se torna uma festa onde os protagonistas somos nós, em vez de Jesus. Quando as luzes do comércio colocam a luz de Deus nas sombras, quando estamos preocupados com presentes, mais indiferentes ficamos com aqueles que são marginalizados.” Cerca de dez mil pessoas acompanharam a celebração, além dos cardeais e arcebispos.

Continua após a publicidade

Leia mais: Papa Francisco criou uma conta no Instagram e já postou as primeiras fotos. Confira!

O líder católico também lembrou de todo o sofrimento e desespero das famílias e das crianças vitimadas pelas guerras, principalmente a que assola território sírio desde 2011.

Veja também: Guerra na Síria: 6 maneiras de ajudar as vítimas em Alepo.

“Deixemo-nos interpelar pelas crianças que, hoje, não estão deitadas em nenhum berço e nem são acariciadas pelo afeto de uma mãe ou um pai (…), mas que estão em algum refúgio subterrâneo para escapar dos bombardeios, sobre as calçadas de uma grande cidade, no fundo de uma barca repleta de migrantes”, comentou o Papa. Em 2016, 5 mil pessoas morreram quanto tentavam cruzar o mar Mediterrâneo em direção à Europa.

Leia mais: Entenda o caso dos refugiados: Por que eles deixam seus países e o que você tem a ver com isso.

Continua após a publicidade
Publicidade