Organizadora de grupo contra Bolsonaro é agredida no Rio

Dois homens a aguardavam próximo à sua casa; um deles pegou seu celular e os dois correram até um táxi

Maria Tuca Santiago, filiada ao PSOL e coordenadora da campanha de Sérgio Ricardo Verde, candidato a deputado estadual pelo partido no Rio de Janeiro, foi agredida na noite de segunda-feira por três homens armados, que também levaram seu celular. No boletim de ocorrência também está registrado que ela é uma das administradoras no Facebook do grupo Mulheres Unidas Contra Bolsonaro, de acordo com o “BOL”. A revelação foi feita na página do candidato no Facebook.

Quando estava chegando em casa, dois homens a aguardavam praticamente na porta. Um deles acertou um soco em seu olho e, o segundo, uma coronhada em sua cabeça. Um deles pegou seu celular e os dois correram até um táxi, que os esperava a cerca de um quarteirão de distância. A bolsa e outros pertences não foram levados, de acordo com o relato.

O PSOL divulgou uma nota de repúdio à agressão sofrida por Maria Tuca e exige “apuração e punição imediata dos autores deste ato”. Ainda não é possível afirmar que o crime tenha tido motivação política.

GRUPO NO FACEBOOK

O grupo Mulheres Unidas contra Bolsonaro, que já reúne cerca de 3 milhões de usuárias, foi hackeado e derrubado diversas vezes por homens que se identificaram como partidários do candidato do PSL à Presidência. Desde que foi criado, há aproximadamente um mês, várias mulheres do grupo foram agredidas verbalmente e receberam ameaças via internet.

Leia tambémVoto feminino deve decidir eleições 2018, diz especialista

Já votou no Prêmio CLAUDIA? Escolha mulheres que se destacaram