Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

O que é felicidade para você? Quatro personalidades respondem

Personagens escrevem sobre o tema com exclusividade para CLAUDIA. O resultado, você confere aqui:

Por Liliane Prata Atualizado em 12 abr 2017, 16h23 - Publicado em 4 set 2016, 07h00

Na mira desde os filósofos da Grécia Antiga até os cientistas de hoje, passando por gurus e por todos nós, ela jamais sai de moda. E talvez nunca tenha sido tão desejada. Respire fundo e inspire-se para ir atrás da sua:

Bruna Lombardi, atriz e autora do livro O Jogo da Felicidade (Sextante)

“Todas as nossas ações têm como objetivo maior alcançar a felicidade. Desde uma simples compra até uma grande jornada, você faz o que faz na esperança de que aquilo a deixe mais feliz de alguma maneira – trazendo mais autoconhecimento, deixando-a mais bonita… Estamos vivendo uma época muito conturbada, uma avalanche enorme de notícias ruins, e essa busca mais do que nunca é necessária. Não significa ter prazer o tempo todo e não é um lugar aonde se chega. É a maneira como se percorre o caminho.”

Ivan Martins, escritor

“A felicidade é uma ilusão perigosa. Por trás dela existe a suposição de sentimentos e momentos perfeitos e duradouros. Mas essa ideia de perfeição é nociva, porque contradiz a vida. O ideal de felicidade é uma utopia que paralisa e entristece. Tente lembrar de quando você foi feliz. Quando esteve inteiramente satisfeita com a sua vida? Suspeito que nunca. Mesmo com a pessoa que ama, num trabalho que gosta, a gente se angustia porque não é feliz da maneira prevista. Ou falta sexo, ou sobra trabalho, ou faltam filhos, ou o dinheiro anda curto. Sempre falta alguma coisa. Acho que para usufruir melhor da vida a gente poderia trabalhar com uma ideia modesta de felicidade. Ou esquecer a palavra por completo. Deveríamos aproveitar os momentos alegres que a vida nos dá e entender que é isso que se pode esperar. Momentos maravilhosos, períodos bons, anos legais, mas felicidade, não. Isso não existe.

Letícia Wierzchowski, escritora

“Eu nunca tive uma imagem grandiloquente da felicidade… Pelo contrário, felicidade, para mim, é uma coisa bem pequena, invisível aos olhos, uma sustentação, uma força, como a coluna vertebral para um corpo. Ela não reluz e não pode ser exibida por aí – ela está apenas. Ser feliz é não trair a si próprio – contando com uma ajudinha da vida, que às vezes nos dá uma rasteira e, num tropeço, lá se foi a felicidade da gente, sumiu, quebrou, evaporou-se. Felicidade é uma plenitude que se manifesta no cotidiano quando temos a sorte de estar no tabuleiro certo, jogando com os peões que nós mesmos elegemos, aos quais amamos e pelos quais zelamos.”

Clarice Niskier, atriz

A felicidade é um sentimento simples ligado à alegria de viver, que, por sua vez, está relacionada à percepção de uma conspiração favorável que harmoniza esforços pessoais e acontecimentos externos, possibilitando a realização de um sonho ou de uma necessidade da melhor maneira. É também um sentimento profundo pelo outro. Receber uma boa notícia em relação a alguém que você gosta ou em relação à sociedade em que você vive e luta. Felicidade é o oposto da má noticia. É a boa notícia.”

Continua após a publicidade
Publicidade