Motorista de aplicativo interrompe corrida para salvar mulher de agressão

Mulher dirigia na região metropolitana de Macapá (AP), quando viu uma outra apanhando de um homem

Uma agressão no último domingo (10) foi interrompida graças a professora e motorista de Uber Edileuza Silva, 51.

A mulher dirigia pelas ruas de Santana, cidade da região metropolitana de Macapá (AP), quando viu uma outra mulher apanhando de um homem. Diante da cena, Edileuza reagiu.

Segundo relato fornecido ao site Universa, Edileuza em um primeiro momento parou o carro e observou.

Depois, quando o homem colocou a mão na cintura da jovem e retirou um objeto parecido com uma faca, a motorista decidiu ajudar a vítima.

Edileuza conta que não havia mais ninguém na rua e para tentar auxiliar a vítima a escapar das mãos do agressor ela acelerou o carro em direção ao homem – que não sabia se era um assaltante ou marido da jovem.

Não tive medo nem pensei em nada naquele momento. Me chamam de doida, mas não poderia deixar uma mulher morrer.”

Edileuza levou, então, a vítima ao hospital e posteriormente para o registro de boletim de ocorrência.

A motorista ainda ajudou a vítima a buscar sua família. Foi quando encontraram a irmã da jovem, que explicou que a mulher é portadora de autismo e que o rapaz é um ex-namorado. O término do namoro aconteceu por motivo de agressões.

O caso foi direcionado à Delegacia de Crimes Contra a Mulher (DCCM) de Santana na segunda-feira (11) e o rapaz confessou as agressões.

Leia mais: A luta de professoras para proteger crianças das balas perdidas no Rio