Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Morre Alicia Alonso, uma das maiores bailarinas clássicas da História

A bailarina cubana de 98 anos é um dos ícones da dança

Por Da Redação - Atualizado em 17 fev 2020, 12h34 - Publicado em 17 out 2019, 19h50

Morreu hoje, em Havana, aos 98 anos, uma das maiores lendas do balé clássico, a cubana Alicia Alonso. A informação foi divulgada pelo Balé Nacional Cubano, que a bailarina e coreógrafa fundou em 1948 e dirigiu até sua morte. Segundo a TV cubana, a causa da morte foi uma “doença cardiovascular”.

Reprodução/Getty Images

A história de Alicia é fascinante. Começou no balé clássico ainda nova e aos 20 anos já era uma das maiores estrelas do American Ballet Theatre, em Nova York, estrelando todos os clássicos e cativando um grande número de fãs. Carismática e brilhante nos palcos, Alicia dançou até os 74 anos, quando já estava completamente  cega. Os problemas com a visão começaram quando ainda tinha 23 anos e descobriu que tinha descolamento da retina. As várias cirurgias não conseguiram salvar sua visão. Ela dançava se guiando pelas sombras e luz do palco e seus parceiros a ajudavam a se posicionar. Ainda assim, poucas dançaram tão bem quanto ela.

Alonso surpreendeu ao mundo durante os anos de Guerra Fria quando abandonou a carreira nos Estados Unidos e voltou para Cuba, apoiando a revolução de Fidel Castro. Era simplesmente idolatrada por todas as estrelas da dança e uma das poucas consideradas ballerina assoluta, título associado a virtuosos e ícones. Ela dançou algumas vezes no Brasil e apresentou dois dos papéis mais famosos de sua carreira: Giselle e Carmen.

“Danço dentro de mim, com os olhos fechados”, ela dizia.

Continua após a publicidade

O mundo da dança fica um pouco mais triste hoje.

Reprodução/Getty Images

Leia mais: Jessye Norman, soprano norte-americana, morre aos 74 anos

PODCAST – Por que não sinto vontade de transar?

Publicidade