Milhares de mulheres vão às ruas pela legalização do aborto na Argentina

Em 2018, os Deputados Federais argentinos votaram a favor da legalização, mas o Senado foi contra. A pauta será apreciada novamente pelo Congresso em março.

Munidas dos já tradicionais lenços verdes, as mulheres argentinas voltaram a se mobilizar para de defender a legalização do aborto, na última quarta-feira (19). A maior manifestação aconteceu na frente do Congresso Nacional, em Buenos Aires.

Em 1º de março, nesse mesmo local, o presidente Alberto Fernández deve apresentar um novo Projeto de Lei a respeito do tema. No poder desde o final do ano passado, ele já se declarava favorável à legalização do aborto desde sua campanha eleitoral.

 (Ricardo Ceppi/Getty Images)

Em treze anos, essa é a nona vez que o Parlamento argentino se debruça sobre a pauta. Em 2018, com 129 votos a favor e 125 contra, a Câmara de Deputados aprovou o direito à interrupção da gravidez até a 14ª semana de gestação. No entanto, o Senado rejeitou o PL na época.

As manifestações, encabeçadas pela Campanha Nacional pelo Direito do Aborto Legal, Seguro e Gratuito, aconteceram em ao menos 20 cidades argentinas. Esse grupo organizado existe desde 2018 e tem como símbolo o uso de lenços verdes. O slogan da campanha é “Educação sexual para decidir, anticoncepcionais para não abortar, aborto seguro para não morrer”.