#MeTooGuru: vítimas de abusos sexuais denunciam mestres tibetanos

Carta escrita por vítimas de 10 países foi entregue ao Dalai Lama

Mestres budistas tibetanos, monges e leigos são acusados de terem cometido abusos sexuais. O caso de violência sexual veio à tona depois que um carta escrita por 12 mulheres e homens, de 10 países, no qual denunciam cinco membros mestres foi entregue ao Dalai Lama.

Reunidos em torno da hashtag #MeTooGuru, em referência ao movimento #MeToo, que denuncia violências e abusos sexuais em Hollywood, os signatários da carta visam corrigir o que consideram uma “imagem estereotipada do budismo, na qual não há lugar para essas agressões”.

Em entrevista a uma rede de televisão da Holanda, país que visitou no último sábado (15), o líder budista revelou que estava ciente de casos de agressões desde os anos 1990, já que aqueles relatos “não eram novos”, porque “já sabia dessas coisas”, nomeadamente das acusações contra Sogyal Rimpoché, um polêmico mestre budista.

Dalai Lama ainda incentivou que as vítimas tornem as violências públicas e que denunciem seus agressores. Ele também se comprometeu em agir em relação à denúncia feita pela vítimas do #MeTooGuru.

Leia mais: “Como conquistar alguém sem agressões? Perguntem às mulheres, elas sabem”