Menino se esconde por 8 horas após presenciar assassinato dos pais

Em choque, ele subiu em uma árvore para fugir dos criminosos

Um menino de apenas nove anos passou cerca de oito horas em cima de uma árvore após presenciar o estupro da mãe e o assassinato dela e do pai. Ele se escondia dos dois suspeitos do crime, ocorrido na noite da última sexta-feira (7), em uma aldeia do povo indígena Bororó, localizada em Dourados (MS).

Somente no dia seguinte, após o garoto relatar o ocorrido a uma professora, é que foram encontrados os corpos de Osvaldo Ferreira, 38 anos, e Rosilene Rosa de Pedro, 33. No mesmo dia, os dois suspeitos foram presos pela Polícia Civil com ajuda das lideranças indígenas locais. Eles também são da etnia Bororó e deverão receber assistência da Defensoria Pública do Estado.

Segundo a investigação, o menino assistia televisão quando viu o pai ser assassinado. Em seguida, ocorreu o estupro. Quando o garoto percebeu que a mãe também seria morta, fugiu e buscou um esconderijo.

“Ele só sobreviveu por ter fugido. Ele não conseguiu falar sobre isso na hora em que localizamos os corpos, estava em choque. Depois, conversamos com lideranças indígenas. Eles conversaram com a criança e ela deu um dos apelidos [dos suspeitos]. Por esse apelido nós chegamos aos autores”, explicou Rodolfo Daltro, delegado responsável pelo caso.

Ao depôr, um dos suspeitos disse que veria “o que fazer com ele [o menino] depois”. Daltro afirmou que a brutalidade e a pouca importância dos suspeitos para com a criança foi impressionante. “Eles foram extremamente violentos e frios ao relatarem os detalhes do crime”

O garoto foi encaminhado ao Conselho Tutelar de Dourados e, posteriormente, acolhido pelos tios. Um dos suspeitos também está sendo investigado por outro homicídio na região, cometido dias antes do ataque aos pais da criança. Com seu comparsa, ele responderá por estupro e duplo homicídio qualificado.

Leia também: Filho mata mãe e padrasto, deixa mensagem e comete suicídio em seguida

+ Mãe de Rafael Miguel foi morta ao abraçar o filho para tentar protegê-lo

Vote e escolha as vencedoras do Prêmio CLAUDIA