Menina de 10 anos morre após ser espancada por colega na saída da escola

Gabriela Ximenes morreu após ser agredida por garota de 9 anos

Gabriele Ximenes, de 10 anos, morreu na última quinta-feira (6) em Campo Grande, (MS). A menina foi espancada por uma outra garota de 9 anos na saída da escola e faleceu sete dias após as agressões, por complicações de uma cirurgia realizada na Santa Casa.

Em depoimento emocionado, o pai de Gabrielly disse que a discussão entre elas começou dentro da escola. “Uma delas disse para minha filha ‘Vou te deixar na cadeira de rodas'”, relatou Carlos Roberto ao G1A menina chegou a contar ao pai que a briga começou após uma das colegas xingar sua mãe de “prostituta”. 

A delegada Fernanda Félix, responsável pelas investigações, contou em entrevista ao portal que o movimento usado pela agressora foram dois golpes com uma mochila cheia de livros. Duas adolescentes de 14 anos teriam incitado vítima a se defender.

“A menina de 9 anos e as adolescentes passaram a tarde na delegacia e foram ouvidas como testemunhas. A mais nova confirma que só ela agrediu com a mochila, sendo que as outras chegaram depois é só perguntavam se a vítima não ia se defender”, afirmou a delegada ao G1.

Gabriela Ximenes, de 10 anos, morreu após ser agredida na saída da escola em Campo Grande (MS)

Gabriela Ximenes, de 10 anos, morreu após ser agredida na saída da escola em Campo Grande (MS) (TV Morena/Reprodução)

No depoimento consta que as adolescentes informaram que “não encostaram um dedo sequer” na vítima e também não a conheciam anteriormente. “Elas dizem que nada fizeram, enquanto que a menina de 9 anos falou que as duas começaram a xingar a mãe da outra”, explicou Félix.

No entanto, ainda de acordo com a delegada, a menina foi todos os dias à escola após o ocorrido, com exceção de quinta (6). “A família não havia registrado ocorrência e a informação que temos é que ela não tinha nenhuma lesão aparente. Ela passou por unidades de saúde e hoje é que o médico da Santa Casa optou por fazer uma cirurgia”, afirmou.

Com o diagnóstico de uma artrite séptica, foi realizado um procedimento no lado direito do quadril da menina. “Ela sofreu quatro paradas cardíacas e também foi identificada uma infecção generalizada, hoje pela manhã. Eu acompanhei a necrópsia e a criança sofreu tromboembolismo pulmonar”, relatou a delegada. “Pretendo questionar o diretor se a menina passou mal algumas vezes na escola, em situações anteriores, inclusive chamando o Samu [Serviço de Atendimento Médico de Urgência] e encaminhando, possivelmente, ela para alguma unidade de saúde”, completou.

O caso foi registrado como morte a esclarecer, na Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e Juventude (Deaij). A delegada explica que não foi imputado as três envolvidas nenhum ato infracional por conta da idade delas, o que não é penalmente não é possível – nem aos pais.

Leia maisPai forçou filho de 11 anos a fazer sexo com madrasta para ‘não virar gay’

+ Carrefour lança nota de esclarecimento sobre morte de cão

Siga CLAUDIA no Instagram