Clique e assine com até 75% de desconto

Homenagens, lágrimas e estreias nos dois primeiros dias de Carnaval 2020

Hoje (23) começam os desfiles do Grupo Especial do Rio de Janeiro

Por Ana Claudia Paixão Atualizado em 23 fev 2020, 16h58 - Publicado em 23 fev 2020, 16h43

No Rio e São Paulo, os desfiles das Escolas de Samba de sexta e sábado confirmaram o Carnaval 2020 como uma festa de estréias, homenagens, aniversários, novidades, muita animação, e claro, lágrimas.

No Grupo Especial de São Paulo, a Tom Maior entrou no Anhembi saudando heróis negros da História e uma homenagem à Marielle Franco. A imagem de Marielle estava segurando uma máscara de Flandres, que era um dos instrumentos de tortura usado contra negros na escravidão. A escola também lembrou personalidades como Wilson Simonal, Elza Soares, Carolina Maria de Jesus, Mano Brown, Madame Satã, Machado de Assis, Pixinguinha, entre outros.

Na noite de sexta (21), um carro da Dragões da Real ficou preso nos fios elétricos na dispersão e acabou provocando atrasos, mas não deve haver punição.

 No sábado (22), o Pérola Negra foi a prova da superação. Mesmo prejudicados com a perda de 40% das fantasias – destruídas em um barracão alagado pela chuva há duas semanas – a escola desfilou com garra. A Liga das Escolas de Samba decidiu que o quesito fantasia não será critério de desempate e detalhes de sujeira não serão considerados.

Alexandre Schneider/Getty Images/Getty Images

Com o enredo ‘Um Não Sei Quê, Que Nasce Não Sei Onde, Vem Não Sei Como e Explode Não Sei Porquê, a Gaviões comemorou os 50 anos com a estreia do premiado carnavalesco Paulo Barros em São Paulo. Como já fazia no Rio,  ele apostou em efeitos especiais que pôs fogo nos componentes da comissão de frente em alusão à chama da paixão. Chuva de papel picado brilhante e um carro jorrando água completaram o espetáculo.

Alexandre Schneider/Getty Images/Getty Images

 A rainha da bateria, Sabrina Sato, veio fantasiada de Julieta. A roupa chegou a ferir os braços da apresentadora que seguiu até o fim do desfile cantando e sorrindo.

Sabrina Sato chegou a ter hematomas no braço por causa da fantasia, mas brilhou como Julieta no desfile da Gaviões da Fiel Alexandre Schneider/Getty Images/Getty Images

A Mocidade Alegre, que homenageou o poder das mulheres e orixás femininos da água, fez um desfile grandioso que também agradou.

Alexandre Schneider/Getty Images/Getty Images

O enredo ‘Do canto das Yabás renasce uma nova morada’, contou a história de um menina que tentava salvar o mundo com os ensinamos do candomblé e a ajuda de seus oxirás femininos. O carro que trazia Iemanjá, a rainha do mar, usou 5 mil litros de água reutilizada em fontes e bolhas para dar o visual marítimo.

Continua após a publicidade

A Unidos de Vila Maria foi ao oriente para retratar a  China – do passado e do futuro – com  “dragões” e outras imagens que são associadas aos chineses.

Alexandre Schneider/Getty Images/Getty Images

MARTA NO CARNAVAL DO RIO

Nos desfiles das Escolas do Grupo de Acesso no Rio de Janeiro, a Escola Inocentes de Belford Roxo homenageou Marta, a maior jogadora de todos os tempos. Ela superou o medo de altura para subir no carro alegórico que também trazia sua mãe, Teresa Silva

View this post on Instagram

Uma das maiores emoções é ouvir o sambódromo inteiro aplaudir e gritar seu nome. Partilhamos as lágrimas de @martavsilva10, a maior jogadora de todos os tempos e a homenageada da Escola Inocentes de Belford Roxo, no segundo dia de desfile das Escolas do Grupo A no carnaval do Rio de Janeiro. A jogadora superou o medo de altura para subir no carro alegórico que também trazia sua mãe, #TeresaSilva. Certamente um dos pontos altos do carnaval 2020! A @inocentesdebelfordroxo fez uma merecida homenagem à todas jogadoras de futebol no brasil. ⚽ ⠀ #repost @riotur.rio #carnaval #martavsilva10 @inocentesdebelfordroxo @martavsilva10 @claudiaonline no @camarotearpoadoroficial

A post shared by CLAUDIA (@claudiaonline) on

Em um dos intervalos, o gari Marcelo Mendes brilhou. Ele atravessou a Sapucaí em 17 minutos fazendo embaixadinhas com a cabeça, sem perder o controle da bola. Muito aplaudido, Mendes, que trabalha para a empresa de limpeza urbana do Rio de Janeiro há seis anos, sonha entrar para o Guiness Book.

[wpvideo rvP9DSJE]

No sábado, nem os problemas técnicos tiraram o brilho da Unidos de Bangu. A Escola apresentou o enredo “Memórias de um Griô: a diáspora africana numa idade nada moderna e muito menos contemporânea”,  e contou os horrores da escravidão, mas celebrou também a força e a resistência dos negros.

E para fechar a noite, a Imperatriz Leopoldinense ganhou o Estandarte de Ouro ao reeditar um dos seus sambas mais clássicos e que rendeu o bicampeonato à escola em 1981. A homenagem ao compositor Lamartine Babo com o samba chamado “Só dá Lalá” celebra a obra musical do autor de hinos de vários grandes clubes de futebol do Rio. Foi lindo.

Hoje (23) começam os desfiles do Grupo Especial do Rio de Janeiro com Estácio, Viradouro, Portela, Grande Rio e Mangueira.

 

  •  

    Continua após a publicidade
    Publicidade