Clique e assine com até 75% de desconto

Bonner denuncia que CPF do filho foi usado em fraude no auxílio emergencial

Segundo o jornalista, há três anos Vinícius Bonner luta contra o roubo de seus dados e consequentes golpes

Por Da Redação Atualizado em 21 Maio 2020, 12h28 - Publicado em 21 Maio 2020, 12h22

O jornalista William Bonner usou sua conta no Twitter para denunciar o uso indevido dos dados de seu filho para obtenção do auxílio emergencial do governo na pandemia. Segundo ele, golpistas se apropriaram do número do CPF de Vinícius Bonner para conseguir o benefício de 600 reais.

Ainda de acordo com o relato, a família consultou o site do Dataprev, que reúne os dados e status das solicitações do auxílio, e o saque estava autorizado. “O fraudador provavelmente indicou que não tinha conta bancária e abriu a conta específica da Caixa – a que, obviamente, meu filho não tem acesso. Portanto, sequer sabemos se o dinheiro foi depositado e se foi sacado”, explicou.

“Quantos entre esses foram vítimas de fraudadores, como aconteceu com meu filho? Quantos entre esses realmente fraudaram o programa? Meu filho não fraudou, é vítima e pode provar”, diz.  Ainda de acordo com o apresentador do JN, uma nova queixa-crime sobre o caso será aberta e eles esperam a apuração do caso. “De nossa parte, apresentaremos nova queixa-crime. Da parte dos gestores do auxílio emergencial, esperamos apuração rápida da fraude, para que se resguardem o patrimônio público e a confiança dos cidadãos nos mecanismos de controle desse programa.”

Segundo Bonner, essa não é a primeira vez que o filho cai em golpes que usam seus dados. Há três anos a família atua ao lado de advogados para resolver outras situações semelhantes, como contratação e negociação de serviços a partir dos dados de Vinícius. A troca de CPF já chegou, inclusive, a ser cogitada como forma de resolver o problema.

FRAUDES NO AUXÍLIO EMERGENCIAL
Em outro trecho do pronunciamento, Bonner retoma a questão das fraudes no sistema do auxílio emergencial. “Pelos critérios do programa de auxílio emergencial, alguém nas condições sócio-econômicas do meu filho não tem direito aos 600 reais da ajuda. Portanto, quem quer que viesse a usar o nome, o CPF e dados pessoais dele deveria receber como resposta ao pleito um ‘não’. Mas, pelo que vimos ao consultar o site do Dataprev, o pedido de auxílio feito por um fraudador foi aprovado”, destacou.

Há semanas, revistas e jornais vêm denunciando a insegurança e ineficácia do sistema de concessão de auxílio. Benefícios duplicados, pessoas se passando por outras e até inscrição de militares vieram à tona. Enquanto isso, muitos brasileiros que realmente precisam da renda não conseguem obtê-la por supostas irregularidades na inscrição.

O Governo Federal, em outras ocasiões, se pronunciou dizendo que está fazendo o possível para identificar e impedir novas fraudes.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade