Cunhado de Ana Hickmann é absolvido da acusação de homicídio doloso

O TJMG considerou que Gustavo Corrêa agiu em legítima defesa ao atirar Rodrigo de Pádua em maio de 2016

Gustavo Correa, cunhado da apresentadora Ana Hickmann, acusado de matar Rodrigo Augusto de Pádua, foi absolvido pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). Segundo a juíza do 2º Tribunal do Júri de Belo Horizonte, Âmalin Aziz Sant’Ana, Gustavo agiu em legítima defesa. A decisão foi tomada nesta terça-feira (02), informa o G1.

Em maio de 2016, o hotel em que a apresentadora se hospedava com a família na capital mineira, localizado no bairro Belvedere, área nobre da cidade, foi invadido por Rodrigo, que atirou contra Giovana Oliveira, assessora de Ana e esposa de Gustavo.

Leia tambémAna Hickmann sobre ataque de fã: “É difícil superar”

O cunhado da apresentadora reagiu lutando contra o “fã” e atirando nele, resultando em óbito. Com isso, Gustavo foi denunciado pelo Ministério Público por homicídio doloso, quando há intenção de matar. Francisco Santiago, promotor do caso, argumentou que, como Rodrigo foi morto com três tiros na nuca, houve excesso de legítima defesa, por isso se configura um crime de homicídio.

No entanto, a juíza disse que considerou em sua decisão a luta corporal entre Gustavo e Rodrigo, sem que o fã largasse a arma, a tensão do réu e a ausência de fatos que comprovem que o cunhado de Ana Hickmann estaria no controle da situação quando atirou. Com a decisão, também foi determinado que Gustavo não irá a júri popular.

“Se o acusado Gustavo efetuou um ou três tiros, tal questão é resolvida com o conhecimento pacífico e indiscutível de que a legítima defesa não se mede objetivamente, pois, a pessoa que luta por sua vida, desfere tantos tiros quanto sua emoção no momento, ou mesmo seu instinto de preservação, demonstram ser necessários”, disse a juíza. “Nenhum de nós, em momento de contenda física incessante, como comprovado, consegue ter discernimento se se está efetuando os disparos estritamente necessários para resguardar sua vida, ou não.”

Após ser baleada, Giovana ficou internada em um hospital de Belo Horizonte por quatro dias, até ser transferida para o Hospital Sírio Libanês, em São Paulo. Ela teve alta no dia 2 de junho de 2016, três meses após o crime.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s