Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Compostos de plantas são nova aposta para contracepção masculina

Estudos indicaram que os compostos foram capazes de barrar a fertilização ao neutralizar o movimento dos espermatozoides sem danificá-los

Por Da Redação - Atualizado em 23 Maio 2017, 18h53 - Publicado em 23 Maio 2017, 18h02

Pesquisadores da Universidade da Califórnia apostam no uso de compostos encontrados em plantas selvagens para desenvolver contraceptivos alternativos. Em testes, pristimerina e o lupeol, encontrados nas folhas de aloe vera e na planta conhecida como “videira trovão de Deus”, conseguiram barrar a fertilização ao impedir que espermatozoides movimentassem seu flagelo para impulsioná-los pelo aparelho reprodutor feminino. 

Os compostos foram eficazes em bloquear a ação da progesterona, que impulsiona a “natação” dos espermatozoides, sem, para isso, danificá-los. Eles poderiam servir como contraceptivo de emergência usado após a relação sexual desprotegida, ou como anticoncepcional permanente via adesivo ou anel vaginal, substituindo a ação de hormônios empregados para evitar a concepção.

Leia também: Mulheres agora têm acesso a DIU em maternidades atendidas pelo SUS

“Os dois compostos podem ser uma nova geração de contraceptivo de emergência que apelidamos de ‘camisinha molecular'”, diz Polina Lishko, professora da Universidade da Califórnia em Berkeley que liderou o estudo responsável pela descoberta, publicado na revista de divulgação científica Proceedings of the National Academy of Sciences este mês. 

Continua após a publicidade

Os pesquisadores descobriram que os compostos funcionavam em doses bastante reduzidas, não apresentando efeitos colaterais, diferentemente de outros contraceptivos constituídos a partir de hormônios. Eles testam agora como esses compostos atuam em primatas, cujas células sexuais funcionam de modo semelhante ao de humanos. No entanto, um entrave para os cientistas é que a pristimerina e o lupeol são encontrados em pequena proporção na natureza

A atuação dos compostos poderia funcionar no desenvolvimento de um método contraceptivo masculino, indicam especialistas. “Como a molécula é específica ao espermatozoide, pode ser uma boa aposta na busca por uma pílula contraceptiva masculina sem os efeitos colaterais já observados em testes com contraceptivos hormonais”, comentou à BBC o professor Allan Pacey, especialista em saúde sexual do homem Na Universidade de Sheffield, na Inglaterra.

Leia também: Desenvolvimento de contraceptivo masculino mais uma vez em cheque

Publicidade