Caso Marielle: PM e advogada viram réus por “atrapalharem” investigação

O policial militar Rodrigo Jorge Ferreira e a advogada Camila Lima Nogueira são suspeitos de integrarem uma organização criminosa

A Justiça do Rio aceitou a denúncia do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) contra o policial militar Rodrigo Jorge Ferreira, o “Ferreirinha”, e a advogada Camila Lima Nogueira. A informações foram divulgadas pelo portal UOL na última sexta-feira (12).
Ambos são suspeitos de integrarem uma organização criminosa cujo objetivo era atrapalhar as investigações da Polícia Civil sobre o atentado que resultou nas mortes da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. O PM e a advogada acusados se tornam assim réus no caso e, se condenados, podem pegar de três a oito anos de prisão, além de multa.
A denúncia do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público do Rio de Janeiro) foi baseada em investigação conduzida pela Polícia Federal, que concluiu que houve obstrução à investigação do Caso Marielle.
Em nota, o MPRJ confirmou “ter denunciado os envolvidos na obstrução às investigações do Caso Marielle”, mas não divulgou o teor da medida porque o processo corre em segredo de Justiça.

Caso Marielle

Marielle Franco foi morta quando saía de um evento na região central do Rio de Janeiro. Na última terça (12) foram presos o policial militar reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio Vieira de Queiroz por suposto envolvimento no crime. O primeiro teria atirado em Marielle e em Anderson e o segundo seria quem dirigia o carro.

O veículo usado para o crime foi um Chevrolet Cobalt com placa de Nova Iguaçu e era clonado. Os criminosos emparelharam o carro dirigido por Anderson e efetuaram 13 disparos. Marielle levou quatro tiros na cabeça e o motorista foi atingido por ao menos três balas nas costas. No carro também estava a assessora de Marielle, que foi atingida por estilhaços.

Os investigadores mantêm silêncio sobre o rumo das apurações. Eles não descartam, contudo, a possibilidade de um outro indivíduo estar no carro dos criminosos nem de o crime ter sido encomendado.

Cerca de dois meses após os assassinatos, o jornal O Globo publicou uma matéria em que testemunhas relacionaram o crime ao vereador Marcello Siciliano (PHS) e ao ex-PM e miliciano Orlando Curicica. Os dois negam envolvimento na morte da vereadora e do motorista.

O então secretário de Segurança do Rio, general Richard Nunes, disse em dezembro que Marielle foi morta pela milícia atuante no Rio de Janeiro por uma disputa de terras. Segundo ele, os milicianos se sentiam ameaçados pelo ativismo da vereadora. 

“Era um crime que já estava sendo planejado desde o final de 2017, antes da intervenção”, disse o secretário ao Estadão em 14 de dezembro em referência à intervenção militar na cidade. 

Cinco pessoas chegaram a ser presas no dia 22 de janeiro, entre eles um major da PM e um tenente reformado, por envolvimento em grilagem de terras na Zona Oeste do Rio.

Síndrome de burnout: Izabella Camargo conta a sua história no podcast “Senta Lá CLAUDIA”