Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Brasileira cria impressora acessível que reproduz textos em Braille

O projeto de Bruna da Silva Cruz ficou em segundo lugar no Prêmio Jovem Cientista 2019

Por Da Redação Atualizado em 17 fev 2020, 12h06 - Publicado em 30 out 2019, 16h23

Bruna da Silva Cruz, de 19 anos, criou uma impressora capaz de reproduzir textos em Braille. A estudante de engenharia apresentou o Fast Braille no Prêmio Jovem Cientista 2019 e ficou em segundo lugar.

Muito parecido com uma impressora comum, o produto permite que o usuário digite e envie um texto pelo computador ou celular, gerando automaticamente um conteúdo impresso  em Braille, com relevo no papel. O Fast Braille também permite que o texto seja ditado.

“Para reconhecimento de voz, a pessoa precisa pressionar um botão e ditar o comando, que é, então, transcrito e enviado para a impressora”, disse Bruna ao UOL.

Arquivo Pessoal/Reprodução

A estudante de Novo Hamburgo (RS) conseguiu criar a impressora com R$ 1 mil. Ela acredita que, em larga escala, o produto finalizado não deve passar dos R$ 3 mil. Segundo Eliana Cunha, coordenadora da área de educação inclusiva da Fundação Dorina Nowill para Cegos, isso é equivalente a um terço do valor normalmente encontrado no mercado.

Arquivo Pessoal/Reprodução

O projeto de Bruna foi inscrito em outras iniciativas de incentivo dentro e fora do país para tentar ser comercializado. Para Eliana Cunha, o Fast Braille pode ser um passo importante para a inclusão dos deficientes visuais. Atualmente, a acessibilidade dos cegos é pouca já que, de acordo com a União Mundial de Cegos, apenas 5% das obras literárias no mundo são transcritas para o Braille nos países desenvolvidos, enquanto nos países mais pobres o número cai para 1%.

Leia mais: SBT terá que pagar 30 mil a cadeirante por atitude discriminatória

+ PL promete agilizar divórcio em casos de violência doméstica

PODCAST – Por que não sinto vontade de transar?

Continua após a publicidade
Publicidade