33ª Bienal de São Paulo conta com a curadoria de quatro artistas mulheres

Com o tema 'Afinidades afetivas', a mostra vai até dezembro

A 33ª Bienal de São Paulo, que acontece até 9 de dezembro, vem surpreendendo o público. Com o tema ‘Afinidades afetivas’, ela foca na experiência individual do espectador e na apreciação das obras. O título foi escolhido pelo curador Gabriel Pérez-Barreiro, nomeado pela Fundação Bienal de São Paulo à produtor da mostra.

Porém, a exibição não surpreende só aí: dentro da curadoria, podemos contar com quatro curadoras que, além de exercer essa função, participam da programação como artistas.

Confira quem são:

Wura-Natasha Ogunji

33BSP – Retratos

33BSP – Retratos (Divulgação/Divulgação)

Ela é americana, mas mora em Lagos, na Nigéria. Define-se como feminista desde os anos 1970 e tem como marca registrada os bordados em seus quadros. Wura-Natasha traz à Bienal o projeto Sempre, Nunca, para o qual convidou artistas mulheres que debatem – por meio de seus trabalhos, feitos especialmente para essa mostra – o corpo, as memórias e o significado dos gestos humanos. “Todas as obras demonstram um profundo sentimento de liberdade e experimentação”, diz.

Claudia Fontes

Claudia Fontes, artista-curadora da 33a Bienal de S‹o Paulo. 06/10/2017 © Pedro Ivo Trasferetti / Funda‹o Bienal de S‹o Paulo

Claudia Fontes, artista-curadora da 33a Bienal de S‹o Paulo. 06/10/2017 © Pedro Ivo Trasferetti / Funda‹o Bienal de S‹o Paulo (Divulgação/Divulgação)

A artista visual argentina explora diversos métodos de retratar a cultura da sociedade em contraponto ao meio ambiente. A exposição O Pássaro Lento parte de um livro fictício homônimo. Ela questiona a relação do homem com o tempo, mostrando como somos influenciados por esse aspecto. “A ideia faz sentido nessa contemporaneidade, que tem sede pelo que é instantâneo, onde buscamos conquistar tão rapidamente os objetivos que não enxergamos o presente”, explica.

Os trabalhos dela e de seus artistas convidados fazem essa provocação para repensarmos nosso uso do tempo. Para Claudia, a participação dela e de tantas outras artistas em um evento desse porte é um marco. “Sinto-me responsável por incluir e propor um trabalho feminino em conjunto”, afirma.

Sofia Borges

Sofia Borges, artista-curadora da 33a Bienal de S‹o Paulo. 27/10/2017 © Pedro Ivo Trasferetti / Funda‹o Bienal de S‹o Paulo

Sofia Borges, artista-curadora da 33a Bienal de S‹o Paulo. 27/10/2017 © Pedro Ivo Trasferetti / Funda‹o Bienal de S‹o Paulo (Divulgação/Divulgação)

A artista paulista comanda os participantes da mostra A Infinita História das Coisas ou o Fim da Tragédia do Um, que resgata uma gama de referências mitológicas. A ideia é que não haja separação entre os artistas, propondo um fluxo em que
o espectador passe por várias atmosferas – além de ativações durante o evento.
Sofia vê na execução de um evento de grandes proporções como esse uma forma de luta pela equidade de gênero e pela diversidade. “A Bienal só é possível porque conta com a força de trabalho de centenas de mãos. E é importante enxergar esse esforço por um mundo mais igualitário – começando aqui dentro”, defende Sofia.

Karin Mamma-Anderson

Karin Mamma Andersson, artista-curadora da 33a Bienal de S‹o Paulo. 06/10/2017 © Pedro Ivo Trasferetti / Funda‹o Bienal de S‹o Paulo

Karin Mamma Andersson, artista-curadora da 33a Bienal de S‹o Paulo. 06/10/2017 © Pedro Ivo Trasferetti / Funda‹o Bienal de S‹o Paulo (Divulgação/Divulgação)

Na mostra Stargazer II, a artista plástica sueca Karin Mamma-Andersson mergulha nas referências de ícones russos do século 15. Participar de uma curadoria agora não estava nos planos dela – sua primeira experiência foi em 2013, durante a exposição Stargazer, em Estocolmo –, mas aceitou o convite por estar em sintonia com os artistas escolhidos.
“Eu me senti extremamente conectada”, diz. Karin é uma ativista incansável na luta pelos direitos das mulheres. Ela lamenta não termos tido as mesmas oportunidades que os homens ao longo dos séculos, mas defende que é preciso mudar essa situação. “Não devemos nos deixar afetar. Temos de nos manter fortes ou perdemos a coragem e o desejo. Sugiro ouvir as vozes positivas ao seu redor”, conclui.