Marli Gomes Masson da Silva

Na Associação Grupamento Ambientalista, no interior de São Paulo, Marli organiza palestras para escolas e empresas e promove mutirões de plantio de mudas

A região oeste do interior de São Paulo tem uma paisagem triste, especialmente nos tempos de seca, entre os meses de junho e setembro. O horizonte azul é tomado por faixas de fumaça cinza, resultado das intensas queimadas provocadas por acidente ou por pessoas que colocam fogo em lixo e perdem o controle das chamas. Assim, há extensas áreas completamente desmatadas, o que acaba afetando a qualidade do leito dos rios e a abundância de nascentes.

Para conscientizar a população sobre a importância das áreas verdes e minimizar o efeito do desmatamento, surgiu a Associação Grupamento Ambientalista. A ONG é formada por voluntários moradores de Birigui e arredores. Entre eles está a consultora Natura e apicultora Marli Gomes Masson da Silva. Na instituição há cerca de oito anos, ela e seus colegas organizam palestras em empresas e escolas sobre ecologia.

“É urgente preservar o verde e os rios do nosso país, mas isso só acontecerá quando as pessoas estiverem conscientes dos riscos do desmatamento.” Também cultivam e distribuem mudas de árvores nativas e fazem mutirões de plantio tanto na cidade como em propriedades particulares que solicitam o serviço. Boa parte dessas mudas sai de um sítio que Marli comprou depois de se aposentar. Filha de um casal de trabalhadores rurais, ela nasceu no campo, mas foi criada na área urbana, após a morte repentina do pai, vítima de um infarto. “Herdei dele o amor pelo mato e, desde pequena, tinha o sonho de ficar mais perto da natureza”, conta.

O terreno é a realização desse desejo. Ali, Marli também mantém caixas de abelhas de diferentes espécies. A venda do mel serve para pagar o sustento do apiário. “Poucas pessoas sabem lidar com esses insetos, que são abundantes por aqui, então pleiteei um curso com o Sebrae e estudei o tema no Serviço Nacional de Aprendizagem Rural”, diz ela, que virou referência na região. “Até o Corpo de Bombeiros me chama quando precisa remover alguma colmeia de áreas de risco.”