Janice Zanella

  • Apoio

Maior premiação feminina da América Latina, o prêmio CLAUDIA chega à sua 22ª edição reconhecendo o talento, as histórias de superação e a realização de brasileiras em diferentes áreas. Conheça as finalistas deste ano, escolha as suas favoritas e dê o seu voto. Com ele, você ajuda a homenagear as mulheres que batalham para fazer deste um país melhor.

CONHEÇAS AS FINALISTAS E VOTE!

arrow_downward

Janice Zanella

Há quase 30 anos, pesquisa tecnologias para garantir a segurança das produções de aves e suínos

Gostou desta finalista?
Obrigado por participar! Você pode votar quantas vezes quiser, em qualquer categoria.
Ops! Algo deu errado. Tente novamente mais tarde.

Pesquisa tecnologia para garantir a segurança das produções de aves e suínos

TEXTO GIULIANA BERGAMO

A Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal em março passado, desmantelou um grande esquema de propina orquestrado para afrouxar a fiscalização realizada pelo Ministério da Agricultura. Além de mostrarem mais uma faceta do crime organizado no país, as notícias colocaram na boca do povo as dúvidas sobre a segurança do que comemos.

Ainda que descontadas as irregularidades, o aumento da produção de carnes e ovos para consumo humano tem mesmo suscitado uma série de problemas. A superlotação das fazendas, por exemplo, cria o ambiente perfeito para a proliferação de perigosos vírus, bactérias e fungos.

Não à toa, as zoonoses – moléstias transmitidas dos animais para os humanos e vice-versa – são uma das maiores preocupações sanitárias da atualidade. Elas representam 75% das doenças emergentes. Somam-se a isso as dificuldades para o descarte de dejetos, consumo racional de água e energia e, claro, transporte. A boa notícia é que existe gente séria trabalhando para que tudo isso funcione melhor.

Em Concórdia (SC), funciona a sede da Embrapa Suínos e Aves. É ali que trabalha, desde o início de sua carreira, há quase 30 anos, a mineira Janice Reis Ciacci Zanella, chefe-geral do centro de pesquisas. “Nosso grande desafio é garantir a segurança do alimento tanto em grandes unidades produtivas, que abatem cerca de 15 mil animais por dia, como nas pequenas, que carecem do aparato ideal”, afirma a veterinária.

Recentemente, um dos grupos que Janice lidera criou um abatedouro móvel. Trata-se de um caminhão equipado com maquinário adequado para atender sítios ou pequenas fazendas e garantir o cumprimento das normas sanitárias.

Um dos grandes focos de trabalho da pesquisadora são as doenças respiratórias em porcos e galinhas. Em 2008, ela se mudou com o marido e os três filhos para os Estados Unidos. Ali, trabalhou no departamento de agricultura americano, centro de referência na área, onde desenvolveu pesquisas com o vírus influenza, causador da gripe tanto em humanos como em porcos e aves.

Um ano depois, quando houve a pandemia da doença, Janice participou das primeiras análises do micro-organismo e da equipe que desenvolveu a vacina utilizada em animais. Já no Brasil, em 2010, a pesquisadora estabeleceu uma parceria entre a Embrapa e o laboratório americano e, aqui, isolou o vírus pela primeira vez em suínos.

Ela, hoje, representa o Brasil no projeto de vigilância global da influenza em suínos da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE, na sigla em francês).