Gabriella Di Laccio 

A invisibilidade feminina na música clássica espantou a cantora lírica Gabriella Di Laccio. Com a missão de mudar esse cenário, ela criou um projeto que valoriza compositoras mulheres e já catalogou 5 mil artistas. Ela é finalista do Prêmio CLAUDIA 2019 na categoria Cultura

Gostou desta finalista?
Obrigado por participar! Você pode votar quantas vezes quiser, em qualquer categoria.
Ops! Algo deu errado. Tente novamente mais tarde.

Desde o ano passado, a cantora lírica Gabriella Di Laccio tem se dedicado a divulgar a produção de compositoras da música clássica. Em 8 de março de 2018, Dia Internacional da Mulher, ela lançou o projeto Donne: Women in Music (Mulheres na Música). Uma pesquisa feita pela gaúcha e divulgada pelo jornal inglês “The Guardian” mostrou que a programação das 15 maiores orquestras do mundo para 2018 e 2019 trazia 3 442 (97,6%) peças assinadas por homens e apenas 82 (2,3%) por mulheres. “Compositoras de vários países começaram a entrar em contato comigo. A partir daquele momento, me comprometi com a causa da igualdade na música”, diz. A primeira inquietação, entretanto, sentiu em 2015, quando encontrou em uma livraria a Enciclopédia Internacional das Mulheres Compositoras (1987), organizada pelo pesquisador Aaron Cohen.

No livro, havia cerca de 6 mil artistas registradas desde a Idade Média. “Fiquei com vergonha de descobrir esses nomes tardiamente, mas, investigando, me dei conta de que eu não era a única.” O site que criou para sua iniciativa partiu dessa lista, que ela atualiza constantemente. Além disso, produziu uma coletânea de cinco CDs (dois já lançados) só com mulheres compositoras. “Como cantora, posso mostrar meu trabalho facilmente, saio às ruas e tenho um público, mas a compositora precisa de instrumentista, orquestra, um artista que vá executar a música dela. Por isso a importância dessas gravações”, diz. Radicada em Londres desde 2001, a gaúcha de Canoas mudou de país para fazer mestrado no Royal College of Music. Na infância e adolescência participava de corais, mas só mais tarde se deu conta de que ser musicista é uma profissão. “A única forma de as mulheres gerarem mudança e garantirem mais igualdade no futuro é ocupando posições de liderança. As meninas precisam olhar para alguém e se imaginar chegando lá”, acredita. Sua carreira e o projeto Donne renderam a ela um lugar na lista organizada pelo canal britânico BBC das 100 pessoas mais inspiradoras do mundo no ano de 2018.

O objetivo é chamar a atenção para a igualdade e aumentar o conhecimento sobre mulheres compositoras

Gabriella Di Laccio, cantora lírica

Conheça as outras finalistas da categoria Cultura:

Teuda Bara

Tuany Nascimento