Elisabete Dal Pino

  • Apoio

Maior premiação feminina da América Latina, o prêmio CLAUDIA chega à sua 22ª edição reconhecendo o talento, as histórias de superação e a realização de brasileiras em diferentes áreas. Conheça as finalistas deste ano, escolha as suas favoritas e dê o seu voto. Com ele, você ajuda a homenagear as mulheres que batalham para fazer deste um país melhor.

CONHEÇAS AS FINALISTAS E VOTE!

arrow_downward

Elisabete Dal Pino

Astrofísica, busca compreender a existência humana por meio do estudo do espaço

Gostou desta finalista?
Obrigado por participar! Você pode votar quantas vezes quiser, em qualquer categoria.
Ops! Algo deu errado. Tente novamente mais tarde.

Busca compreender a existência humana por meio do estudo do espaço

TEXTO GIULIANA BERGAMO

De onde viemos? Por que habitamos a Terra? O que há para além dela? São perguntas assim que a astrofísica Elisabete M. de Gouveia Dal Pino, pesquisadora do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP, se faz desde muito pequena.

Aos 10 anos, ao assistir à chegada dos astronautas Neil Armstrong e Buzz Aldrin à Lua, compreendeu que a busca por tais respostas seria sua missão de vida. E traçou seu caminho para isso. Formou-se em física, fez mestrado e doutorado (sempre na USP). Até que, em 1990, alçou voos mais altos.

Já casada e com uma filha de 3 anos, mudou-se para os Estados Unidos, onde fez dois pós-doutorados – nas universidades Harvard e da Califórnia. Hoje integra o Comitê de Astrofísica de Alta Energia da União Internacional de Física Pura e Aplicada e é líder brasileira de um projeto internacional para a construção do maior observatório astronômico para detecção de raios gama, a radiação eletromagnética de mais alta energia.

“A expectativa é de que, com o aparato, batizado de Cherenkov Telescope Array, seja possível investigar, por exemplo, buracos negros ou matéria escura, que ainda suscitam muitas dúvidas à ciência”, diz.

Elisabete foi responsável por conquistar um investimento de quase 5 milhões de dólares da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) para o projeto, que deve ter sua primeira etapa pronta em 2018.

Parte do montante será empregado para capacitar pesquisadores brasileiros. Na essência, o trabalho dos astrofísicos é similar ao dos historiadores. Ao estudarem estrelas, galáxias, buracos negros, supernovas, entre outros fenômenos, estão explorando o passado em busca de respostas sobre a nossa origem.

Graças a eles, sabe-se, por exemplo, que o Universo surgiu de uma grande explosão, o Big Bang. Para chegarem a conclusões assim, além de observar o espaço com telescópios, eles precisam interpretar o que é visto. E é aí que entram as pesquisas de Elisabete.

Ela atua na área chamada modelagem: realização de cálculos matemáticos em computadores de alta performance para compreender o que é captado. A cientista foi responsável por inaugurar no Brasil o uso de equações de fluidos magneto-hidrodinâmicos em computadores de alta performance, fórmulas para analisar o comportamento dos gases nas estrelas e galáxias.

Foi pioneira ainda na determinação do mecanismo de aceleração por campos magnéticos de raios cósmicos, partículas que viajam em velocidade próxima à da luz e incidem na Terra.