Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Atletas do basquete criam campanha em busca de mais igualdade no esporte

Grandes nomes do esporte, como Hortência e Magic Paula, mostraram apoio ao movimento nas redes sociais

Por Maria Clara Serpa (colaboradora) Atualizado em 16 set 2020, 13h51 - Publicado em 26 ago 2020, 14h30

Inspiradas pelo Dia Internacional da Igualdade Feminina, comemorado hoje (26), atletas do basquete feminino brasileiro lançaram a campanha Levante a Bola Delas em busca de mais igualdade no esporte. A campanha está sendo divulgada nas redes sociais e pede mais visibilidade, apoio e condições igualitárias à modalidade feminina do basquete, com apoio de atletas já aposentadas e outras que ainda estão nas quadras, como Raphaella Monteiro, Tainá Paixão e Gil Justino.

Gil Justino, jogadora de basquete, com camiseta do movimento. Foto: Renan Pirani/Reprodução

O movimento começou com Érika de Souza, atleta profissional que já venceu campeonatos pela Liga de Basquete Feminino CAIXA, Women’s National Basketball Association (WNBA, o maior campeonato do esporte nos Estados Unidos) e Liga Espanhola. “O basquetebol feminino já foi Campeão Mundial, Medalhista Olímpico e ganhou vários outros campeonatos importantes. E as glórias não ficaram só no passado: ainda ganhamos títulos e formamos grandes talentos”, diz a atleta.

Érika de Souza, que atualmente joga no Chicago Sky, nos EUA. Foto: Julian Campos - Levante a Bola Delas/Divulgação

É sempre bom relembrar que a Seleção Feminina de Basquete já trouxe títulos muito importantes para o Brasil. Em 1991, em Cuba, venceram o Pan-Americanos; em 1994, na Austrália, levaram o ouro do Mundial e, em 1996, chegaram à única final olímpica do Brasil, conquistando o segundo lugar. Apesar disso tudo, as atletas ganham salários bem mais baixos que os atletas de mesmo nível e os times sofrem para conseguir patrocínios. A ideia da campanha é, principalmente, provocar ações práticas que valorizem o esporte.

Tainá Paixão é armadora e participou das Olimpíadas de 2016. Foto: Julian Campos/Divulgação

Além de Érika, o movimento também é apoiado por outros grandes nomes do basquete, como Magic Paula e Hortência. “As mulheres estão sim buscando seus lugares ao sol para serem reconhecidas e valorizadas. A mulher pode sim praticar o esporte e tê-lo como profissão. Já caminhamos muito, mas ainda há um longo caminho a trilhar. Movimentos dessa natureza só fortalecem o basquete feminino e as atletas envolvidas nesse processo. Pode ser um start para as outras modalidades estarem juntas neste contexto. É nosso papel e é dessa forma que posso contribuir para que o esporte se fortaleça cada vez mais, com patrocínios, uma competição forte e mais jogadoras atuando e curtindo o basquete. Tudo o que eu tenho hoje foi conquistado através do basquete e faz parte da minha filosofia estar junto e apoiar”, diz Paula.

Magic Paula, um dos maiores nomes do esporte brasileiro, também aderiu à iniciativa. Foto: Renan Pirani - Levante a Bola Delas/Divulgação

O vídeo oficial da campanha conta também com a participação da jornalista esportiva Glenda Kozlowski, que enfatiza a urgência do movimento. “A igualdade de gênero não pode mais esperar. É uma honra poder dar as mãos às jogadoras nesta luta por igualdade e respeito. Não podemos mais aceitar tamanhas diferenças que acontecem entre o feminino e o masculino nas arenas esportivas. Nós mulheres não podemos mais aceitar que, na lista da Forbes dos 100 atletas mais bem pagos do mundo, só tenham duas mulheres e de apenas uma modalidade – o tênis. É um momento de reflexão e de muita atitude”, comenta.

O movimento já ganhou forças nas redes sociais, especialmente no Instagram, em que atletas, profissionais ou não, estão compartilhando suas vivências e pedindo por mais igualdade no basquete por meio da #LevanteABolaDelas.

  • O que falta para termos mais mulheres eleitas na política

     

     

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade