Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Youtuber Júlio Cocielo vira réu por declarações racistas nas redes sociais

Denunciado pelo Ministério Público, o influenciador pode pegar de dois a cinco anos de prisão, caso seja condenado

Por Da Redação - 15 set 2020, 16h21

Júlio Cocielo, youtuber e influenciador digital de 27 anos, se tornou réu na Justiça de São Paulo por racismo. A acusação se dá por conta de uma série de publicações de cunho racista postadas no Twitter entre novembro de 2011 e junho de 2018. Caso seja condenado, a pena é de dois a cinco anos de prisão.

A denúncia, feita pelo Ministério Público, foi aceita pela juíza Cecília Pinheiro da Fonseca, da 3ª Vara Criminal de São Paulo. Segundo a promotora Cristiana Moeller Steiner, Cocielo, que tem 8 milhões de seguidores no Twitter, fez publicações como: “Por que o Kinder ovo é preto por fora e branco por dentro? Porque se ele fosse preto por dentro, o brinquedinho seria roubado, KKK #maldade”, tweet feito em 2 de novembro de 2010.

Em novembro de 2013, o youtuber escreveu: “nada contra negros, tirando a melanina…”. Um mês depois, publicou: “o Brasil seria mais lindo se não houvesse frescura com piadas racistas. Mas já que é proibido, a única solução é exterminar os negros”.

O caso mais recente, que gerou grande repercussão, foi em 2018, durante a Copa do Mundo de futebol. Em um dia em que a seleção francesa jogava, Cocielo escreveu: “Mbappé conseguiria fazer um arrastão top na praia, hein”, se referindo ao jogador francês, Kylian Mbappé, que é negro.

Tweet racista feito por Júlio Cocielo durante Copa do Mundo de futebol, em 2018 Twitter/Reprodução

Cocielo, além do processo criminal, também responde a uma ação civil pública na qual o Ministério Público cobra uma indenização de R$ 7,5 milhões. Em declaração, o advogado do youtuber, Maurício Bunazar, que o representa no processo cível, disse que “contar uma piada sobre negros não transforma um humorista em uma pessoa racista ou propagador do ódio contra negros, da mesma forma que contar uma piada sobre judeus não transforma um humorista em uma pessoa antissemita.”

Além disso, ele também afirma que, pelo fato de o youtuber se identificar como afrodescendente e de ter nascido na periferia, “é evidente que Cocielo faz piadas com sua própria condição, o que é um artifício humorístico usado por comediantes no mundo todo.”

O que falta para termos mais mulheres eleitas na política

Continua após a publicidade
Publicidade