Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Viver a Vida Exclusivo: Luciana fica tetraplégica

O autor Manoel Carlos revela todos os detalhes sobre o dramático destino da modelo

Por Redação M de Mulher Atualizado em 21 jan 2020, 06h10 - Publicado em 21 set 2009, 21h00

Alinne Moraes
Foto: Rede Globo

O pesadelo vira realidade: Luciana (Alinne Moraes) sofre um grave acidente de carro e fica tetraplégica.

Como a cena irá ao ar no mês que vem, Manoel Carlos ainda está arquitetando detalhes do drama da modelo. Mas será que o neurocirurgião Miguel (Mateus Solano) poderá salvar Lu? “Sem dúvida, o fato de Miguel ser um médico neurocirurgião vai aproximá-lo de Luciana e seu problema”, garante o autor. Essa aproximação pode resultar em casamento com Miguel e… filhos! Na cadeira de rodas, a loira deixará de ser a menina mimada e se transformará numa mulher forte, guerreira.

Manoel Carlos revela, com exclusividade à MINHA NOVELA, sua opção por esse triste destino para Lu.

Por que você escolheu esse tipo de limitação física para a personagem de Alinne Moraes?
Porque me inspirei mais nesses casos do que em outros de superação. São os mais comuns por causa dos acidentes de carro, que ocorrem todos os dias. E fica também implícita a denúncia contra a violência no trânsito, o uso excessivo de álcool etc.

Existe algum caso específico em que você se baseou para criar o drama de Luciana?
A pesquisa baseou-se em vários casos. Não existe praticamente uma única pessoa que não conheça um cadeirante. Também pesou aqui o fator superação, já que a cura é difícil, quase sempre improvável, mas com uma sobrevida bastante otimista.

Geralmente, as pessoas mais prepotentes e arrogantes, como a modelo, quando passam por um problema como esse tendem a rever toda a vida e se modificar…
Ah, isso é inevitável. Toda limitação implica em infelicidade e leva o infeliz a fazer uma revisão completa de conceitos. Depois de um tempo de indignação e revolta, a tendência é a pessoa proceder a uma reforma interna de grande profundidade.

Sua intenção é passar para as pessoas que elas podem, mesmo tendo grandes limitações, “viver a vida” plenamente? Ou que devem “viver a vida”, já que a qualquer hora um acidente assim pode acontecer?
Viver a vida, pra mim, é encontrar meios de ser feliz com o que se tem, ainda que lutando sempre para alcançar uma realização plena. Viver a vida é perceber que não existe beco sem saída e, então, ir à luta, ao trabalho e – principalmente – ao amor. O amor é a suprema felicidade. Não devemos, portanto, deixar que a vida sabote essa felicidade. Para isso, é preciso transpor obstáculos e vencer dificuldades.

Continua após a publicidade
Publicidade