Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Quais revelações a biografia de Meghan e Harry pode fazer?

10 questões que o livro pode responder e que estão tirando o sono de alguns membros da Família Real

Por Da Redação - Atualizado em 27 jul 2020, 16h00 - Publicado em 25 jul 2020, 09h38

Desde que a princesa Diana enfrentou a Família Real e se rebelou contra a tradição protocolar dos Windsor, que o público não tinha um material tão novelesco sobre eles, como a chegada de Meghan Markle.

Meghan não foi a primeira americana e divorciada a conquistar o coração de um príncipe. Aliás, foi justamente por uma questão  amorosa que fez o Rei Edward VIII escolher Wallis Simpson em vez da Coroa e, como consequência imediata, colocar Elizabeth II diretamente na linha sucessória. Ela virou rainha aos 26 anos.

Antes do príncipe Charles se casar com Diana, em 1981, Elizabeth acompanhou outra história de amor sacrificada pela Família Real. Sua irmã mais nova, Margaret, não pôde se casar com o homem que amava, porque ele era divorciado. Ela se casou com outro e a união acabou em divórcio. Um escândalo na época, mas como ela não seria rainha, foi aceito pelo sistema. Dos quatro filhos de Elizabeth, apenas o caçula, Edward, parecer ter acertado na escolha da parceira e ser feliz com Sophie Rhys-Jones. Andrew, Anne e Charles? Divorciados.

O casamento e a separação de Charles e Diana trouxeram a Família Real para o perigoso universo dos tabloides. A imprensa e o mundo se apaixonaram por Diana desde que ela foi apresentada, aos 18 anos, como namorada do príncipe. A imprensa marrom britânica é conhecida por não ter limites e sempre descobre escândalos que envergonham os famosos.

Continua após a publicidade

A porta mais perigosa de todas foi aberta pela própria princesa Diana, quando se sentiu injustiçada e abandonada pela Família Real. Na época, ela vivia um triângulo amoroso com Charles e Camilla Parker-Bowles e queria dar a sua versão da história. Assim como seu filho Harry está fazendo em 2020.  A biografia de Diana a princípio não foi oficialmente autorizada, mas ela depois assumiu como sua. O livro acelerou o fim do casamento. A Rainha chamou 1992 de annus horribilis, talvez porque não tinha acesso a uma bola de cristal e não sabia o que ainda estava por vir 28 anos depois.

Samir Hussein/WireImage/Getty Images

Os tradicionalistas “entenderam” a reação de medo da Família Real quando Harry se apaixonou completamente por Meghan, decidindo se casar com pouco mais de um ano de romance. A mesma corrente partilhou a suposta preocupação do príncipe William, que, seguindo o conselho pessoal de Diana para não fazer como ela e não se casar com pressa, tivesse pedido o mesmo ao irmão, que se ofendeu. Não importa, Harry não apenas se casou com a mulher que ama como deu um tchau para a realeza, se mudando para Los Angeles e começando uma vida independente com Meghan bem longe da própria família. Mas o rompimento não foi o capítulo final.

Poucas semanas depois que deixaram a posição de membros sênior da Família Real, foi anunciada uma biografia do casal. Finding Freedom: Harry and Meghan and the Making of a Modern Royal Family (Encontrando liberdade: Harry e Meghan e o surgimento da Família Real moderna, em tradução livre) tem lançamento previsto para o dia 11 de agosto (clique aqui para adquirir o livro na pré-venda). A poucas semanas antes do lançamento, vamos relembrar dez questões que  seguem gerando confusão.

Continua após a publicidade
Toby Melville - WPA Pool/Getty Images

1- Príncipe William foi contra o casamento e os irmãos brigaram?
Tudo indica que sim. A aparente relação próxima dos dois irmãos, vistos como uma unidade, tinha fraturas e não era tão sólida como foi vendida. Se fala de competição, de ressentimentos e certamente de temperamentos opostos. Uma versão é a de que Harry tinha mágoa do seu papel indefinido na família, uma vez que dificilmente seria rei. Por outro lado, William não seria a pessoa com temperamento afável. O livro certamente vai abordar como foi a reação da Família Real quando Harry revelou os planos de casamento.

Samir Hussein/WireImage/Getty Images

2-A relação entre as cunhadas, Kate Middleton e Meghan Markle
Essa promete ser uma das questões mais complicadas para serem esclarecidas, afinal tanto Kate quanto Meghan são adoradas pelos fãs. Histórias de bate-boca entre elas, especialmente na véspera do casamento, já são quase lendárias. Há o choro de Kate, discussão sobre o uso de meia-calça pelas daminhas, briga de quem dava ordem na equipe. Embora as duas disfarcem melhor que os irmãos, que mal se olharam na despedida, ninguém se convenceu 100% de que as duas não tenham seus problemas também.

Um artigo recente de Kate na revista Tatler pintou um perfil desfavorável para a duquesa, que, assim como Meghan, foi perseguida e apresentada como oportunista quando começou a namorar William. Kate superou as críticas, mas pode ser descrita na biografia como uma mulher pedante e distante, que não fez esforço para ajudar a Meghan, mesmo sabendo o que estava acontecendo.

WPA Pool / Pool/Getty Images

3- A rotatividade da equipe de Meghan
A lua-de-mel de Meghan com parte dos britânicos acabou quando as notícias de um comportamento exigente, quase grosseiro, teriam provocado a demissão de mais de seis funcionários em apenas poucos meses. Os números estão contra a duquesa, mesmo que nenhum ex-funcionário tenha abertamente falado sobre ela para os jornais.

Instagram/Reprodução

4- A briga com a família Markle
Era público mesmo antes do casamento que a relação de Meghan com o pai e os meio-irmãos nunca foi fácil. No entanto, por alguma razão que não ficou clara, a duquesa excluiu os parentes da comemoração.  Ela convidou o pai, mas não ajudou que ele tenha armado fotos para tabloides. Ele e a filha brigaram, ele sofreu um infarto e não pôde ir para a festa. Surgiu então o impasse definitivo. Uma carta, escrita à mão (e depois publicada em jornais), Meghan parece insensível aos problemas de saúde do pai. Thomas também publicou as mensagens de texto que recebeu de Harry, que também nem pergunta sobre a saúde do sogro (recém-operado) e o critica por estar fazendo a infelicidade da filha. 

Thomas Markle posa de vítima e as cartas expuseram o casal, acelerando o desgaste de Meghan com a imprensa britânica e com a Família Real. Isso porque, por protocolo, nenhum membro da realeza responde pessoalmente a notícias pessoais. Oficialmente para não alimentar as fofocas, mas segundo relatou no processo que está movendo contra os jornais, Meghan se sentiu tolhida, humilhada e sem apoio. O fato de ter sido forçada a ouvir calúnias sem poder se defender é uma mágoa oficial da duquesa. Sem dúvida, será um dos pontos mais reveladores do livro e Meghan finalmente dará sua versão para os fatos.

WPA Pool / Base de fotógrafos/Getty Images

5- A decisão de deixar a Família Real foi de Meghan? Foi de Harry? Foi planejada desde o início?
Harry
e Meghan já falaram abertamente sobre a questão e não devem mudar a versão. Eles queriam modernizar o protocolo, queriam independência para trabalhar a marca Sussex Royal e não conseguiram. Engessados, reprimidos, criticados e isolados, não viram outra alternativa do que desistir de tudo.

Não há dúvida que sobre essa questão eles serão diretos e não há como poupar William e Kate, que adotam sem questionamentos a tradição. Segundo vazou, no livro Harry vai assumir sozinho a decisão de deixar a Família Real e fez a escolha para proteger Meghan e o filho, Archie.

Gareth Fuller - WPA/Getty Images

6- Houve a briga da tiara?
Segundo consta, Meghan queria a tiara reservada para a prima de Harry, a princesa Eugenie, que se casou meses depois dos dois. Ao ter o desejo negado, ela teria batido o pé e o príncipe interviu a seu favor, falando o clássico what Meghan wants, Meghan gets (o que Meghan quiser ela terá). O impasse teve que ser pessoalmente resolvido pela Rainha, que deu preferência à neta. Essa foi uma das fofocas iniciais contra Meghan, ela deve endereçar a questão na biografia, mesmo que tola.

Kirsty Wigglesworth - Pool/Getty Images/Getty Images

7- Racismo e ameaças
Neonazistas fizeram ameaças à Harry e Meghan, postando comentários racistas e violentos, criando justificados medo e mágoa na duquesa. Para piorar, o Palácio de Buckingham teria mais uma vez mantido o silêncio sobre o problema e Harry se decepcionou com os parentes, inclusive o irmão. Nem a carta enviada para os jornais, onde Harry inocenta William de qualquer insinuação racista ajudou a encerrar os rumores.

Esse tema é o mais sensível e preocupante para o futuro rei da Inglaterra.

Continua após a publicidade
Phil Harris - WPA Pool/Getty Images/Getty Images

8- Ciúme na família?
Seria Harry o favorito mesmo? Kate teria insegurança perto de Meghan? Meghan teria inveja das princesas Eugenie e Beatrice porque elas podem trabalhar e ela e Meghan não tinham permissão? Não se sabe se falarão abertamente sobre isso, mas a narrativa vai apontar quem tem inveja de quem.

Reprodução/Getty Images

9-As negociações para o afastamento
O livro ainda não estava terminado quando o casal formalizou o afastamento e começou o que foi reportado como uma difícil negociação. Mais uma vez a Rainha teve que interceder diretamente para agilizar a conclusão e acabar com a briga. Mais detalhes de como foi a discussão certamente estarão no livro.

Samir Hussein/WireImage)/Getty Images

10- Quais os planos dos dois?
Serão influencers? Políticos? Palestrantes? Artistas? Há um mundo de possibilidades. Os rumores de que Meghan sonha com a Casa Branca não são tão impossíveis de se acreditar. A resposta pode até ser evasiva e não revelar o planejamento, mas não há dúvida de que vão falar muito de futuro no livro. A Família Real pode estar ansiosa porque sem as restrições protocolares, Meghan voltou a dar opiniões politizadas e isso é um dos maiores tabus para eles. A primeira experiência de Harry foi um pouco delicada ao cair no golpe de comediantes russos e falar mal de Donald Trump e Boris Johnson, entre outros.

Curiosa para ler o livro? Faltam apenas três semanas para descobrirmos!

 

Publicidade