Rachel Weisz fala sobre possibilidade de agente 007 feminina

"Mulheres são fascinantes, interessantes e deveriam ter suas próprias histórias", diz atriz

Prestes da estrear seu novo filme, The Mercy (sem previsão de lançamento para o Brasil), a atriz Rachel Weisz, 47 anos, fez uma simbólica declaração sobre a representatividade feminina no cinema mundial em entrevista publicada pelo The Telegraph neste sábado (10).

Além de assuntos em torno da divulgação de seu novo trabalho, foi questionado a Rachel a possibilidade de uma mulher interpretar o famoso agente 007. “[Ian Fleming, autor dos livros sobre James Bond] dedicou muito de seu tempo para criar um personagem que é particularmente masculino (…) Mulheres são fascinantes, interessantes e deveriam ter suas próprias histórias”, respondeu a estrela britânica que é casada com Daniel Craig, o atual intérprete do agente.

Leia mais: “007 contra Spectre”: ouça as músicas que já marcaram a franquia de James Bond

Na mesma entrevista, Rachel também foi perguntada sobre os recentes casos de assédio e violências sexuais relatados em Hollywood. “É engraçado, porque quando ao se tornar atriz, você é questionada sobre assuntos importantes da cultura contemporânea, como o fim do patriarcado. E eu tenho certeza de que há pessoas muito mais preparadas para falar sobre isso do que eu”, refletiu.

Contudo, a atriz concluiu que os recentes casos de abusos que vieram à tona trazem boas perspectivas para mudanças no cenário de violência. “O mundo ainda está estruturado em um modo patriarcal. Não há dúvidas. Mas eu acho que avançamos bastante em um curto espaço de tempo e podemos ser otimistas.”

Leia mais: Novo Mulher Maravilha quer filmagens livre de assédio