Rachel Ripani sobre liberdade sexual: “Os homens têm medo dos desejos femininos, ficam inseguros”

Em um ensaio inspirado em sua personagem, Justine, de Cabaret Luxúria, a atriz abre o jogo para a CONTIGO!

Rachel como Justine, de Cabaret Luxúria
Foto: Rogério Pallatta

Rachel Ripani, 38 anos, é daquelas feministas que não perdem a chance de tentar convencer quem está ao seu redor sobre suas ideias. Tanto que levou a temática ao palco, com o musical Cabaret Luxúria, em cartaz até 10 de dezembro em São Paulo, espetáculo que ela escreveu, produziu e protagoniza. No texto, a atriz faz uma reflexão sobre os relacionamentos humanos e coloca o desejo sob a perspectiva da mulher. “Achei ali uma lacuna de vozes femininas defendendo a bandeira da liberdade, da mulher que deseja”, explica. Mãe de Theo, 1 ano e 6 meses, ela acredita que é dever das mães educar seus filhos de uma forma na qual eles respeitem as mulheres como suas iguais no trabalho, nos relacionamentos familiares, amorosos e, principalmente, na cama. “Os homens têm medo dos desejos femininos, ficam inseguros”, reflete.

Além de feminista, a atriz se diz uma apaixonada pelas comédias musicais. Esse sentimento nasceu depois de interpretar Tatiana, na novela Caras & Bocas (2009), personagem vítima de câncer que a fez raspar os cabelos. “Eu estava cansada de todo mundo vir até mim com cara de sofrimento, cheio de pena”, conta. Quando terminou o folhetim de Walcyr Carrasco, ela só pensava em fazer comédia. “Queria ver as pessoas rindo”, lembra. Foi por isso que começou a atuar no musical Mamma Mia (inspirado no filme homônimo de 1999, com Meryl Streep, 64, e Pierce Brosnan, 60) e só parou no quinto mês de gravidez, em dezembro de 2011.

Enquanto encenava Mamma Mia, ela também apresentava Cabaret Luxúria. Foi quando conheceu o marido, o publisher Giuliano Girondi, 39. Paixão à primeira vista, eles foram morar juntos logo que se conheceram e, três meses depois, ela estava grávida de Theo. “A vida não acaba após o casamento. Queria muito casar e não sabia, até conhecer Giuliano. O sexo depois do casamento é incrível e eu engravidei logo em seguida. Ninguém conta isso, mas ficou melhor ainda, eu me diverti muito!”, revela.

Ser mãe foi uma grande novidade. “Logo que o Theo chegou, tive um susto. Mas hoje digo que Theo é o grande amor da minha vida. Tive um conflito inicial. Preocupei-me muito em conseguir escrever, produzir sem ser uma mãe relapsa. Hoje, não consigo pensar em uma opção de vida sem ver meu filho, por isso tenho trabalhado muito em casa.” Rachel só voltou aos palcos após nove meses de dar à luz. Com os 15 quilos ganhos na gestação, outra encanação surgiu. “Fiquei desesperada, porque ia aparecer de tapa-sexo e ainda tinha um resquício da gravidez, uns 6 quilos que não me deixavam. Fiz uma dieta rigorosa, não comia nada, e muito treino com musculação. Em um mês e meio voltei ao meu peso normal”, conta aliviada.

Para o ano que vem, a atriz tem vários projetos engatados, como um programa de entrevistas bem-humoradas para o YouTube, o espetáculo Delirium, nos mesmos moldes de Cabaret Luxúria, e a estreia da série Passionais, no canal GNT. Atualmente, a atriz divide seu tempo entre apresentações, gravações para série O Negócio, da HBO, além da produção de uma continução “mais” musical de Cabaret Luxúria. “A peça me trouxe o amor, além da sacanagem, é claro!”, diverte-se.

ESTA MATÉRIA FAZ PARTE DA EDIÇÃO 1992 DA CONTIGO!, NAS BANCAS EM 20/11/2013.

Rachel Ripani sobre liberdade sexual: "Os homens têm medo dos desejos femininos, ficam inseguros"

A atriz encena o musical ao lado de Rubens Caribé e Paula Flaibann
Foto: Rogério Pallatta