Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

O dia a dia da estilista Tory Burch requer muito jogo de cintura

Como a designer norte-americana consegue equilibrar trabalho, família e diversão em seu dia a dia? Nesta nova seção, revelamos os segredos da agenda de personalidades que tomam conta de seu tempo de um jeito superestiloso.

Por Redação Estilo - Atualizado em 21 jan 2020, 03h42 - Publicado em 16 out 2016, 11h00

Confira como a estilista passa seu dia a dia e inspire-se:

6h: Primeiros raios de sol.

Eu geralmente me exercito bem cedo. Gosto de correr, jogar tênis e fazer ioga antes de as crianças acordarem — se não for nesse horário, pode esquecer.     

7h: Correria.

Com três filhos (os gêmeos Henry e Nick, 18 anos, e Sawyer, 15), não existe dia previsível para mim, mas todos eles acabam sendo lotados de reuniões profissionais.     

8 – 10h: 

Continua após a publicidade

Divulgação
Divulgação

11 – 12h:: Sucesso compartilhado.

Quando comecei a Fundação Tory Burch (criada em 2009), não imaginava o quão importante ela seria para as mulheres empreendedoras. Temos reuniões a cada duas semanas para tratar do assunto. Ao longo desses anos, já emprestamos mais de 10 milhões de dólares a empreendedoras e agora estamos buscando parceiros para um novo projeto educacional.     

13h: O que tem para o almoço?

Nunca tenho tempo para almoçar. Só tive esse tempo no passado, antes de abrir a empresa, na época em que parei de trabalhar por três anos para ser uma mãe mais presente.     

14h: Criando um moodboard.

Continua após a publicidade

Estou começando a montar um quadro de inspirações com fotos, amostras de tecido e pequenos croquis que eu desenhei (foto abaixo). Vou acumulando essas inpirações para que depois ganhem refinamento, quando eu e a minha equipe começarmos a fazer as nossas pesquisas para a próxima coleção.     

15h: Tory no jardim de sua casa, em Southampton, cidade próxima a Nova York.     

Divulgação
Divulgação

16 – 17h: Veia esportiva.

Em março, a Tory Sport, divisão de moda esportiva da grife, ganhou uma loja em Nova York. “As mulheres estão ficando cada vez mais ocupadas e a ideia da marca foi pensar no esporte de um jeito elegante. Eu uso as peças até quando vou ao escritório.”     

Divulgação
Divulgação

Continua após a publicidade

Divulgação
Divulgação

18 – 20h: ALÉM DO JARDIM     

“Adoro aromas com um toque nostálgico”, diz Tory, que herdou dotes de jardineira de sua mãe, Reva. “Brincava com os perfumes que ficavam na penteadeira dela e depois ia para o jardim, onde havia outros aromas incríveis.” Três desses aromas inspiraram as novas fragrâncias de sua marca: lírio, rosa e tuberosa. “Cada um deles traz um tipo de memória da minha infância.”     

Divulgação
Divulgação

Jolie Fleur Bleue, Rose e Verte, Tory Burch, US$ 120 (100 ml), cada um, toryburch.com.     

21h: Dona do tempo.

Continua após a publicidade

Gosto de estar em casa com os meninos à noite para assistir a filmes, conversar e ouvir música. Também reservo tempo para os meus amigos e para o meu noivo. (Tory ficou noiva recentemente de Pierre-Yves Roussel, executivo do grupo LVMH.)

22h: Criatividade tardia.

Acho impossível sentar na mesa em determinado horário e conseguir ser criativa. A criatividade tem todo um longo processo. Eu, por exemplo, gosto de trabalhar tarde da noite, em casa, depois que os meninos vão dormir.     

23h: MANTRA DIÁRIO

O melhor conselho que já recebi foi da minha mãe. Quando comecei minha empresa, eu não tinha muita experiência, mas ela sempre disse: a negatividade é péssima. Você tem que acreditar e ter convicção no que está fazendo. E sempre mantenha a sua curiosidade intelectual.  

Divulgação
Divulgação

FAVORITOS:

Continua após a publicidade

– Para ouvir: Sou apaixonada por música, ouço de The Cure a 2Pac. Adoro Leon Bridges e sempre amei Neil Young.

– Para ver: O musical Hamilton foi provavelmente a melhor coisa que já vi na Broadway.

– Para ler:  Estou numa fase de clássicos. Quero reler Suave É a Noite (de F. Scott Fitzgerald) e Cisnes Selvagens (de Jung Chang).

– Para comer: Meu lugar favorito é o Bohemian, em Nova York. Um restaurante sem placa na porta e bem pequeno.     

Publicidade