Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Insensato Coração: Vinícius é preso no dia de seu casamento

Em Insensato Coração, Serginho recolhe as provas contra o irmão e Kléber o ajuda a denunciar o safado à polícia

Por Redação M de Mulher - Atualizado em 17 jan 2020, 14h07 - Publicado em 26 jul 2011, 21h00

Vinícius é preso enquanto espera a noiva na igreja
Foto: Divulgação/Rede Globo

No dia em que Vinícius (Thiago Martins) mata um gay, Serginho (Vitor Novello) nota que o irmão está com o braço arranhado. Depois, lê a notícia da morte de Gilvan (Miguel Roncato) e suspeita que o irmão seja o assassino.

O garoto fala de suas desconfianças para Kléber (Cássio Gabus Mendes), que repassa as informações ao delegado encarregado do caso. O policial diz que, nas unhas de Gilvan, foram achados vestígios de pele. Serginho, então, pega o exame de DNA de Vinícius, feito para comprovar a paternidade de Oscar (Luigi Baricelli). Kléber leva à polícia, e não dá outra: a culpa do rapaz é provada.

Insensato Coração: Vinícius é preso no dia de seu casamento

Serginho recolhe as provas contra Vinícius
Foto: Divulgação/Rede Globo

Enquanto o delegado espera o mandado de prisão, Vinícius aguarda Cecília (Giovanna Lancellotti) no altar. A menina, por sua vez, já de vestido de noiva, é surpreendida por Rafa (Jonatas Faro), que aparece em sua casa e pede para reatar o namoro. Cecília concorda, tira a roupa e vai para a igreja, com o amado e Júlio (Marcelo Valle). Sua intenção é avisar ao noivo que desistiu de se casar.

Mas, ao chegar, Vinícius está sendo preso. A confusão é geral. Sueli (Louise Cardoso) tira satisfação e o safado debocha. “Só dei cabo dum viadinho… E ele tava gostando de apanhar!”, diz, aumentando a raiva da comerciante, que lhe cospe na cara. Vinícius ainda tenta agredir Rafa, mas é contido pelos policiais.

Oscar, chocado, contrata um advogado para tentar livrar o filho da cadeia, mas Gilda (Helena Fernandes) e Serginho pedem para o executivo retroceder, e ele acaba atendendo. Resultado: o estudante fica preso, esperando a ação da defensoria pública.
 

Publicidade