Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Flávia Alessandra planeja gravidez

A estrela de Caras & Bocas fala de seu amor por Otaviano Costa e revela que quer dar um irmãozinho para a filha, Giulia, logo

Por Redação M de Mulher - Atualizado em 21 jan 2020, 08h36 - Publicado em 27 abr 2009, 21h00

Flávia Alessandra garante que tem
treinado bastante com Otaviano Costa
para dar um irmão para sua filha Giulia
Foto: Cleiby Trevisan

Desde que estreou na telinha como figurante em 1983, Flávia Alessandra já fez 14 novelas e, em pelo menos quatro delas, roubou a cena. Impossível esquecer a Lívia de Porto dos Milagres (2001) ou Cristina Saboya, a terrível vilã de Alma Gêmea (2005), a Vanessa Fortuna, uma perua escandalosa em Pé na Jaca (2006), e a Alzira Melgaço, dançarina para lá de sensual em Duas Caras (2007).
 
Agora em Caras & Bocas, com sua personagem, Dafne, ela vem mostrando que veio para arrasar mais uma vez. “Estou adorando porque há uma atualização no perfil da protagonista. A heroína não é mais uma pobre coitada que vive chorando pelo amor da sua vida”, afirma, toda empolgada. Esta também é a primeira vez que Flávia trabalha com o maridão, Otaviano Costa, com quem está casada há quase três anos.

tititi – O que a atraiu mais nesse novo trabalho?
Flávia Alessandra – O Jorginho (diretor Jorge Fernando) veio com um discurso muito bacana de a gente tentar resgatar as novelas de antigamente, aquelas que ficam na nossa memória, com sequências-pastelão. Nada de mirabolante, tudo feito com o coração e verdade, sempre!

Você estava com o cabelão e cortou curtinho, gostou?
Estou adorando o cabelo mais curtinho. Você sai do banho, passa um secador e parece que foi ao salão. É muito fácil!

E como foi gravar as primeiras cenas na África do Sul, com diversos animais selvagens por perto?
Foi ótimo! O pôr do sol na savana é maravilhoso. Realmente lindo, de um laranja indescritível… Deu um visual diferente de tudo que a gente já viu e já fez, acho que ficou super-rico para a novela. Mas foi uma pauleira de trabalho, a gente acordava muito cedo pra pegar a claridade do amanhecer e registrar belas imagens. Foram dez dias gravando sem parar. Senti uma falta imensa da Giulia (a filha de 9 anos da atriz com o diretor Marcos Paulo) e do Otaviano. Estava louca pra voltar…

Sentiu medo quando leões, elefantes e outros bichos estavam tão próximos?
Não, nenhum. Dava vontade de levar para casa, eles são lindos! A gente perde um pouco a noção do quanto são selvagens.

Continua após a publicidade

E você é muito ligada à natureza, não?
Acho fundamental para a minha vida ter essa relação próxima com a natureza, a família e os amigos. Quando me sinto “carregada”, fico perto de plantas e árvores e com os pés no chão.

Falando em família… Você pretende dar logo um irmãozinho para a Giulia?
O Otaviano é louco pra ser pai. Acho que a Jujuba (apelido carinhoso de Giulia) despertou esse lado dele. Ela pede uma irmãzinha. No ano que vem, terei outro filho. Estamos treinando direto! (risos)

Como está sendo atuar com o maridão na mesma trama?
Estamos no mesmo trabalho, mas em núcleos opostos, não sei se vamos nos encontrar. Às vezes, tentamos nos intervalos das gravações, mas nunca dá certo (risos). O que é legal é que, de vez em quando, pinta uma carona até o Projac, dependendo dos horários das gravações minhas e dele.

O que você gosta de fazer para se divertir quando está de folga?
Gosto de ler. Acabei Lulu Vê Deus e Duvida, de Danielle Ganek. O livro trata do universo de uma galeria de arte e é muito bom. Agora estou devorando A Viagem do Elefante, do José Saramago, e Marilyn e JFK, de François Forestier.

Você está sempre linda. Como se cuida?
Por uma questão não só de beleza, mas de saúde também, procuro ter uma alimentação mais saudável em casa. Durante a semana, tomamos sopas, comemos saladas, grelhados e tudo que é integral e light. Já sorvete, pipoca e docinhos ficam para os domingos. Mas isso só não adianta, faço musculação e alongamento.

Foi muito difícil para você se livrar da Alzira de Duas Caras, que era uma personagem avassaladora?
A Alzira foi uma loucura na minha vida. Ganhei várias lesões nos pulsos, cotovelos e joelhos, por causa do excesso de treino para dançar no poste. Quando a novela acabou, precisei de fisioterapia para me curar. E fiz terapia também, fiquei um bom tempo para conseguir sair da Alzira e me abrir para uma nova personagem. Agora, sou inteiramente Dafne!

Continua após a publicidade
Publicidade