Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Erick Jacquin do MasterChef e a esposa revelam nomes dos gêmeos

Além da ascendência francesa, os pequenos terão nomes inspirados no país de origem do chef Jacquin.

Por Alice Arnoldi Atualizado em 16 jan 2020, 06h45 - Publicado em 18 out 2018, 11h01

O chef Erick Jacquin e a esposa Rosângela surpreenderam seus fãs mais uma vez. Depois da emocionante revelação de que seriam papais de gêmeos, no último episódio do MasterChef Brasil, em agosto, o casal usou o Instagram, na quarta-feira (17), para contar aos seguidores quais serão os nomes dos pequenos que estão a caminho.

Os baixinhos se chamarão Elise e Antoine. Sobre o nome do filho, Jacquin fez questão de afirmar que “não é Antônio, é Antoine” e explicar que, por ser uma nomeação de origem francesa, fala-se “Antuane”.

Versão francesa de “Elisa”, Elise significa feliz, enquanto que Antoine está atrelado a “valioso”, “digno de apreço”.

View this post on Instagram

🤐😜Oi, gente. Tudo bem? Eu e a Rô (@rosangelajacquin) viemos contar um segredinho pra vocês: os nomes dos bebês!!!😍😚 . 💑Agora a família vai crescer e vocês precisam saber todos os nossos nomes. Vamos lá: . 🧒Eu (papai Érick ou Jacquin… podem escolher) 👩Rô (mamãe Rosângela) 👱Edouard @edou_jacquin (o irmão mais velho) E…. 👶👶Elise e Antoine (nossos bebês) 👏👏👏 Quem aqui tem nomes na família parecidos com os nossos? . #bebes #gemeos #filhos #paternidade #maternidadereal #familia #family #erickjacquin #MasterChefBR #serpai #gêmeos #baby #children #gravidez #kids #babies

A post shared by Erick Jacquin Com Tômpero (@erickjacquin) on

Na rede social, as escolhas dividiram as opiniões dos seguidores. “Os nomes são lindos, mas a pronúncia será um pouco difícil para o menino. Em idade escolar ele vai viver tendo que ensinar como se pronuncia. Por que não Antônio, é tão lindo e facilitará a vida dele na escola. […]”, escreveu uma seguidora. 

Já outra foi mais enfática sobre a importância dos nomes terem nacionalidade francesa. É natural que o pai francês queria a pronúncia e a forma francesa. Afinal estamos falando de crianças que também carregam sangue francês. Elas já vão morar no Brasil e tudo, o que custa elas terem esse pedacinho da França nelas?”, indagou. 

Continua após a publicidade
Publicidade