Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Aprenda a equilibrar proteínas e carboidratos no cardápio

"Perdi 22 kg com a dieta fácil das proteínas. Em vez de cortar totalmente os carboidratos, passei a consumi-los com moderação: sequei em 5 meses!", diz Rita de Cássia Lemos

Por Redação M de Mulher Atualizado em 15 jan 2020, 19h12 - Publicado em 31 jul 2013, 21h00

Rita de Cássia Lemos, 30 anos, auxiliar administrativa, Brusque, SC
Foto: Primo Tacca

“Tudo que eu queria na minha festa de aniversário de 30 anos era usar uma bota de cano alto. Fui até a loja de sapatos e – que vergonha! -, a bota entalou na minha panturrilha! Fui embora com as mãos abanando e os olhos cheios de lágrimas. Apesar do desgosto, esse era o menor dos meus problemas causados pelo excesso de peso. Minha pressão estava alta, sentia dor de cabeça e nas costas, e não tinha ânimo pra nada, a não ser dormir, com um pijama de sapo que escondia meu corpo. Não gostava de me olhar no espelho, de ir à praia, evitava fotos, detestava minha barriga e meus braços enormes. Não adiantava mais me enganar nem tentar demonstrar para os outros que eu não ligava. A verdade doída é que eu já tinha ultrapassado há muito tempo o nível “fofinha” e me tornado uma mulher obesa.

Os anos de descuido minaram meu corpo e minha autoestima

O excesso de peso nunca tinha sido um problema pra mim. Quando meu filho, João Henrique, nasceu em 2009, perdi os 12 kg que ganhei durante a gestação com muita facilidade. Só que, depois que voltei ao trabalho, fui obrigada a mandar meu pimpolho para passar o dia na escolinha. E isso me deixava arrasada. Fiquei tão ansiosa nessa época que passei a comer demais: bolacha, bolo, pão com frios, pizza, fast-food, todo tipo de porcaria! E meu peso só aumentava.

Levei um chacoalhão depois que fui ao médico, em 2011, e voltei com os resultados dos meus exames todos alterados. Já sentia no meu corpo e na minha autoestima o preço dos anos de descuido.

Mas minha grande virada só começou em novembro de 2012, quando resolvi procurar a ajuda de um nutricionista. Comecei cortando boa parte dos carboidratos do meu cardápio. Continuei comendo, pois eles são essenciais, mas bem menos que antes. Assim, passei a consumir mais proteínas, como filé de frango e omelete de claras. Também passei a fazer 30 minutos de exercícios por dia, durante a semana, em uma academia.

Menos 6 kg e 11 cm de cintura no primeiro mês

É natural sentir mais fome depois de diminuir a quantidade de carboidratos no dia a dia. Para dar um jeito nisso, o nutricionista me indicou chá-verde, chá de hibiscos e gelatina diet à vontade, à noite. Isso me ajudou muito a controlar aquela vontade doida de sair da dieta.

Além disso, para que eu não ficasse tão ansiosa, nos fins de semana era permitido colocar no cardápio duas porções de “lixo”: podia ser paçoca, pizza, hot dog… Desde que não passasse de duas porções. Logo no primeiro mês, eliminei 6 kg, e a medida da cintura passou de 105 cm para 94 cm! Me animei e, nos meses seguintes, fui perdendo praticamente um quilo por semana!

Em março desse ano, após cinco meses de controle alimentar e exercícios, consegui eliminar 22 kg no total! Desde então, mantenho meus 70 kg com o mesmo cardápio que introduzi no ano passado. Ainda não é meu peso ideal, mas estou mais motivada do que nunca pra continuar secando.

Hoje dou show de lingerie para o maridão

Mais magra, passei a curtir alguns prazeres da vida que nunca tinha experimentado antes. É maravilhoso receber elogios, vestir uma calça mais justinha e sentir que estou arrasando por aí. Isso sem falar do orgulho de postar minha foto no Facebook e dizer: “Eu consegui”!

E o maridão, que sempre me apoiou demais e nunca me criticou pelo excesso de peso, não esconde o quanto está satisfeito. Ele até perdeu uns bons quilos comigo! Nossa vida romântica melhorou muito também: aposentei meu pijama de sapo e hoje coloco lingeries sensuais para o meu amor. Agora eu tô podendo!”

Dieta fácil das proteínas não elimina carboidratos, mas diminui as porções

Aprenda a equilibrar proteínas e carboidratos no cardápio

Texto Troque os carboidratos por proteínas, como ovos, soja e carnes
Foto: Thinkstock

Os carboidratos são nutrientes essenciais para o nosso organismo. Eles são responsáveis pelo fornecimento de energia para que o corpo funcione. Mas, de acordo com a endocrinologista Cláudia Cozer, o grande vilão do sobrepeso, hoje, é justamente o excesso de consumo de carboidratos: “Quando não são transformados em energia, eles se acumulam pelo corpo na forma de gordura”. A proposta da conhecida Dieta das Proteínas é justamente cortar o consumo desses carboidratos (arroz, pães, trigo, massas…) e manter apenas o consumo de proteínas (carnes, soja, ovos…) e outros nutrientes, provocando um emagrecimento rápido. Esse tipo de programa alimentar parece mágico, mas é difícil de seguir, pois faz mal à saúde e quase sempre termina em recuperação dos quilos perdidos. A dieta “fácil das proteínas, que a Rita de Cássia fez, consiste em diminuir as porções de carboidratos ao longo do dia (especialmente à noite), sem deixar de consumi-los. O resultado é uma dieta muito mais fácil de manter e uma perda de peso um pouco mais lenta, porém muito mais saudável e duradoura! Para que sua dieta fácil das proteínas tenha sucesso, é essencial:

1. Substituir itens ricos em carboidratos por alimentos saudáveis

Quando você começa uma dieta, é natural que o corpo peça besteiras ricas em carboidratos, como salgados, petiscos e biscoitos recheados. Em vez de passar fome, o ideal é procurar substituições saudáveis e pobres em carboidratos, como iogurtes, gelatina, queijo branco e palitinhos de cenoura.

Continua após a publicidade

2. Priorizar carboidratos com baixo índice glicêmico

Os alimentos de alto índice glicêmico são aqueles que mais dão energia, mas também aqueles que mais engordam. Os carboidratos de baixo índice glicêmico são mais recomendáveis pra quem quer emagrecer. Pão de centeio, por exemplo, tem índice glicêmico bem menor que o tradicional pão francês. Consulte a tabela: http://abr.io/IxbW

3. Cortar carboidratos à noite

Como no final do dia o metabolismo está mais lento, “é a hora de priorizar os alimentos de fácil absorção (como carnes brancas) e cortar carboidratos, para que não haja acúmulo de calorias em forma de gordura”, ensina o nutricionista esportivo Osvaldo Neto.

Cardápio inserido
div#cardapio_wrap div,div#cardapio_wrap span,div#cardapio_wrap div#cardapio_wraph1, div#cardapio_wraph2, div#cardapio_wraph3, div#cardapio_wrap p, div#cardapio_wrap a, div#cardapio_wrap em, div#cardapio_wrap img,
div#cardapio_wrap strong, div#cardapio_wrap b, div#cardapio_wrap u, div#cardapio_wrap i, div#cardapio_wrap center, div#cardapio_wrap table, div#cardapio_wrap tr, div#cardapio_wrap td{margin:0;padding:0;border:0;font-size:100%;font:inherit;vertical-align:baseline;}
body{line-height:1;}
table{border-collapse:collapse;border-spacing:0;}

div#cardapio_wrap{font-family:Arial,sans-serif;overflow:hidden;width:620px;}
div#cardapio_wrap div#cardapio_header{background-color:#404042;display:table;height:38px;text-align:center;text-transform:uppercase;width:100%;}
div#cardapio_wrap div#cardapio_header span{color:#fff;display:table-cell;font-size:18px;font-weight:bold;vertical-align:middle;}
div#cardapio_table{display:table;overflow:hidden;width:620px;}
div#cardapio_table div.cardapio_column{background-color:#f6f6f6;display:table-cell;padding-bottom:20px;vertical-align:top;width:205px;}
div#cardapio_table div.cardapio_column.middle{border-left:2px solid #fff;border-right:2px solid #fff;background-color:#eeeeee;margin:0 2px;width:206px;}
div#cardapio_table div.cardapio_column div.cardapio_item{float:left;width:204px;}
div#cardapio_table div.cardapio_column div.cardapio_item h3{color:#000;display:block;font-size:14px;font-weight:bold;letter-spacing:0px;margin:15px 0 11px;text-align:center;text-transform:uppercase;width:100%;}
div#cardapio_table div.cardapio_column.bottom div.cardapio_item h3{margin-top:0;}
div#cardapio_table div.cardapio_column div.cardapio_item p{color:#6f6f6f;display:block;font-size:13px;line-height:19px;margin:0 auto;width:90%;}
div#cardapio_table div.cardapio_column div.cardapio_item h4{color:#6f6f6f;display:block;font-size:13px;font-weight:bold;margin:15px auto 0;text-align:left;width:90%;}

@media only screen and (max-width: 620px), only screen and (max-device-width: 620px){
div#cardapio_table,div#cardapio_wrap{width:100%;}
div#cardapio_table div.cardapio_column{background-color:#fff;display:block;float:left;margin:0 0 3px;padding-bottom:0;width:100%;}
div#cardapio_table div.cardapio_column.middle{background-color:#fff;display:block;margin:0 0 3px;width:100%;}
div#cardapio_table div.cardapio_column.middle div.cardapio_item{background-color:#eeeeee;}
div#cardapio_table div.cardapio_column div.cardapio_item{background-color:#f6f6f6;float:left;padding-bottom:20px;width:100%;}
div#cardapio_table div.cardapio_column div.cardapio_item h3{margin:15px auto 11px;text-align:left;width:90%;}
}

br.clear{clear:both}

O cardápio da Rita

Café da manhã

2 bananas com 1 colher de aveia e canela polvilhada + 2 fatias de pão integral light com requeijão light (apenas uma vez na semana)

Dica da nutricionista:

Tire uma das bananas e acrescente uma porção de queijo cottage ou requeijão light. Consuma o pão todos os dias

Lanche da manhã

1 porção de fruta (menos abacate e manga)

Almoço

2 colheres (sopa) de arroz + 2 bifes de frango grelhado com pimenta + salada à vontade

Dica da nutricionista:

A salada (de folhas) pode ser à vontade, mas coma os legumes com moderação.

Lanche da tarde

1 porção de frutas oleoginosas (3 ou 4 castanhas)

Jantar

1 prato de sopa de legumes ou 1 omelete com duas claras e um pouquinho de azeite

Dica da nutricionista:

Evite os carboidratos à noite.

Ceia

Gelatina diet à vontade

(Cód. Conteúdo: 748611)

Continua após a publicidade
Publicidade