Clique e Assine CLAUDIA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Stéphanie Habrich

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Stéphanie Habrich é CEO da editora Magia de Ler, apaixonada pelo mundo da educação e do jornalismo infantojuvenil. Fundadora do Joca, o maior jornal para adolescentes e crianças do Brasil e do TINO Econômico, o único periódico sobre economia e finanças voltado ao público jovem, ela aborda na coluna temas conectados ao empreendedorismo, reflexões sobre inteligência emocional, e assuntos que interligam o contato com as notícias desde a infância e a educação, sempre pensando em como podemos ajudar nossos filhos a serem cidadãos com pensamento crítico.
Continua após publicidade

Por um jornalismo construtivo que empodere crianças e jovens

Veículos de 20 países se reuniram no EBU Kids News Meeting (European Broadcasting Union) para discutir as melhores práticas do jornalismo infanto-juvenil

Por Stéphanie Habrich Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
4 jun 2024, 16h00

“Diante do medo paralisante e depressivo, a sociedade necessita de esperança. Não me refiro a uma esperança sedativa, que adoce a realidade, mas uma esperança sustentada por fatos, dados, que mostre, inspire e incentive uma mudança possível.” Essa frase de Alfredo Casares, jornalista espanhol, fundador e diretor do Instituto de Jornalismo Construtivo, na Espanha, e autor do livro “La hora del periodismo constructivo”, diz muito sobe o propósito que levou a mim e outros representantes de veículos de 20 países a se reunirem no EBU Kids News Meeting (European Broadcasting Union), encontro sobre jornalismo infanto-juvenil, que apresenta melhores práticas e discute os desafios atuais do setor.

Realizado em Copenhague, na sede da DR (Danish Broadcasting Corporation), uma organização de serviço público, maior e mais antiga empresa de mídia eletrônica da Dinamarca, o seminário foi uma incrível troca de experiência entre publishers e jornalistas de diferentes países. 

O foco maior de nossas discussões foi o jornalismo construtivo. Como podemos praticar um jornalismo que não seja pautado no sensacionalismo, no catastrofismo ou em notícias negativas?

O que fazer para empoderar crianças e jovens para que se tornem cidadãos conscientes e bem-informados para garantir um mundo mais democrático e menos suscetível às fake news?

Ainda não há respostas para todas as perguntas, mas sabemos que estamos no caminho. É consenso entre todos a importância de haver veículos de comunicação e canais específicos para falar com esse público para captar sua atenção e engajá-lo na missão de ser um cidadão responsável.

Também ouvimos palestras sobre como aumentar o engajamento nas redes sociais e sobre as características da geração Alpha, crianças nascidas entre 2010 e 2024. 

Continua após a publicidade

O evento foi uma continuação do encontro que tivemos aqui no Brasil, em novembro de 2023, sobre o qual escrevi essa coluna

Ao longo das duas semanas também visitamos diferentes redações na Dinamarca, Suécia, Finlândia e Noruega. Ouvindo representantes de programas especializados no público infanto-juvenil de diferentes países, pude notar que temos um desafio semelhante: o de sensibilizar a sociedade para a importância de formar e informar as crianças.

O mercado infanto-juvenil ainda não recebe a prioridade que merece e há uma necessidade urgente de mostrar resultados para atrair maiores investimentos. 

Fiquei feliz de ver que temos produtos, como o Jornal Joca e o TINO Econômico, que estão à altura dos benchmarks internacionais. Mas temos um desafio adicional, pois estamos num ambiente muito mais desafiador, com menos dinheiro e mais dificuldade para chegar a um número muito maior de leitores.

A realidade dos países nórdicos é bem diferente da nossa. A maior parte dos participantes que lá estavam fazia parte de empresas públicas, que têm um grande alcance pelo país. 

Continua após a publicidade

Por outro lado, o modelo de negócio que desenvolvemos na minha empresa, a Magia de Ler, de chegar aos novos leitores através das escolas, é algo que esses veículos internacionais ainda não conseguem fazer. Recebi muitas perguntas a respeito. Estavam todos bem interessados em aprender com a nossa experiência.

Mais áudio e vídeo

Aprendi muito com eles sobre produções audiovisuais e o uso de diferentes canais de comunicação como o YouTube e WhatsApp. Os programas jornalísticos em vídeo que eles produzem são interessantes, divertidos e informativos, ao ponto de realizarem uma premiação para o melhor vídeo noticiário para o público infanto-juvenil.

A vencedora este ano foi a Islândia, com uma produção sobre a greve das mulheres pelo direito à igualdade salarial.

Retornei ao Brasil disposta a colocar em prática todos os ensinamentos. Temos muito a fazer, mas acredito que estamos no caminho certo para formar cidadãos bem informados e capazes de fortalecer a nossa democracia.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de 14,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.