Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Já pensou em casar na sua própria casa?

É aquele ditado: quem casa, quer casa! Veja tudo o que você precisa saber para aproveitar bem o espaço da sua e fazer um home wedding completinho.

Por Ketlyn Araujo - Atualizado em 16 jan 2020, 13h34 - Publicado em 29 Maio 2018, 17h55

Quem está prestes a se casar e já começou a colocar os gastos na ponta do lápis sabe bem que uma das despesas mais expressivas no casamento é o aluguel do espaço onde será realizada a festa (ou a cerimônia, ou ambas). Tudo bem que, muitas vezes, salões e locais específicos para isso já vêm com serviço de buffet incluso, o que pode aliviar o bolso, mas nem sempre a grana aplicada nesse tipo de serviço vale tanto a pena assim.

Exemplo: se o casal opta por investir mais dinheiro na viagem de lua de mel do que no casamento em si, vale considerar cerimônias menores, com aqueles convidados essenciais e uma estrutura mais intimista. O mesmo vale para quem se casou no civil e quer montar uma recepção simples, ou aos que estão firmes na ideia de um casamento econômico. Para os três grupos – e para você, caso se encaixe em algum deles – o casamento em casa, ou home wedding, em inglês, pode ser uma ótima solução.

Mas, como nem tudo é perfeito no mundo dos casórios, casar em casa também tem suas desvantagens, como a possível necessidade de contratar uma equipe de limpeza depois que a festa acabar, além de arcar com alguns outros custos em infraestrutura. Para que isso não se torne um problema, a dica, como sempre, é focar no planejamento – começando com uma lista envolvendo as prioridades do casal.

Casamento em casa
olegbreslavtsev/ThinkStock

A party planner Sonia Fernandes, CEO da Venga Eventos, sugere que o casal pense se a casa irá atender a todas as expectativas com o casamento, pois é necessário que ela tenha espaço físico suficiente para realizar cerimônia + festa. Uma dica é enumerar tudo aquilo que será necessário para estruturar o local no dia da festa, fazendo uma análise: afinal, vocês estão escolhendo o espaço por questões econômicas ou sentimentais (o que não deixa de ser relevante)?

Continua após a publicidade

Para Camila Piccini, CEO do grupo CASAR, tudo varia conforme a quantidade de pessoas que serão convidadas: “Para um casamento grande será necessário muito investimento em estrutura, o que inclui piso, adequação da cozinha, gerador, entre outros. Em recepções menores, muitas vezes, elas cabem na sala e jardim da casa, sem a necessidade de investir em estruturas especiais”, explica.

Por falar em estrutura…

Lembrando que a casa em questão não precisa, necessariamente, ser a sua própria. É válido considerar (e até pedir o aluguel do espaço como presente) as residências dos pais dos noivos ou das noivas, de amigos mais chegados e outros parentes – caso eles permitam, é claro.

Como pré-requisitos, o ideal, para Sonia, é que o lugar tenha um local para descarregamento dos fornecedores, cobertura na área externa, equipe de som (ou DJ), luz, estacionamento para os convidados, infraestrutura de cozinha para que o buffet trabalhe sem dificuldades, banheiros em quantidade suficiente (se não, coloque aí a contratação de banheiros químicos no dia do evento) e, como já dissemos, a locação de um gerador, para que ninguém dependa exclusivamente da energia da rua. Isso tudo é necessário para que a festa corra com o mínimo de imprevistos, mas se a comemoração for das mais intimistas, alguns desses itens já podem ser cortados da lista.

Em relação ao número de pessoas, ele também varia. Home weddings personalizados atendem, em média, de 40 a 60 pessoas, mas a quantidade pode mudar junto com o tamanho do espaço. Para evitar problemas, Sonia estima como bom que sua lista de convidados não exceda 100 pessoas.

Continua após a publicidade

Menu principal

Geralmente os comes e bebes de casamentos em casa não fogem muito à tradição: contam com coquetel, entrada, prato principal, sobremesa e mesa de café, mas isso pode ser alterado conforme o gosto do casal e perfil da festa. Uma alternativa é servir mini porções, as chamadas finger foods, ou então inserir ilhas gastronômicas e estações de alimentos no espaço, para garantir praticidade. Lanchinhos da madrugada e food trucks, caso caibam no local, são igualmente agradáveis. Ah! Só não dá para esquecer do bolo, ok?

Casamento em casa
EmmaIsabelle/ThinkStock

Para os drinques, bebidas padrão – água mineral com e sem gás, refrigerantes (normal e diet), sucos, vinho e champanhe – além de cerveja, uísque e outros coquetéis, se necessário, completam o cardápio.

Reduzindo os custos

Há diversas maneiras de economizar no casamento, ainda mais se ele for tipo home wedding. Como já citado, Camila enxerga a principal delas como a redução no número de convidados, de maneira que a quantidade seja suficiente para caber na residência, sem necessidade de investir muito mais em infraestrutura.

Pensar em um casamento diurno, que geralmente possui custos menores do que os noturnos, é outra ideia apontada por Sonia, que defende o planejamento como o melhor meio de evitar gastos desnecessários no home wedding: “É hora de fazer uma lista de prioridades – um orçamento detalhado com todos os itens – ,e focar nos mais importantes sem esquecer de analisar a festa como um todo”, diz.

Continua após a publicidade

Tudo depende do que os futuros pombinhos preferem priorizar: comida? Serviço de fotos? Viagem?

Casamento em casa
MykolaSenyuk/ThinkStock

Em relação à decoração, sempre dá para fazer algo simples, bem no estilo do it yourself, enfeitando os pontos principais da casa. O seu vestido de noiva também não precisa ser caro, viu? Existem opções lindas por menos de mil reais no mercado, basta pesquisar. Por fim, cerimônias em casa são um ótimo pretexto para abusar dos talentos culinários e artesanais dos seus amigos, que com certeza não vão te deixar na mão em um momento como esse!

Publicidade