Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Ganho R$ 2.500 com a construção civil

Compro materiais de construção para obras. Já trabalhei em projetos de casas, fábricas e até na ampliação do Metrô de SP

Por Redação M de Mulher Atualizado em 21 jan 2020, 04h11 - Publicado em 1 fev 2010, 21h00
Ganho R$ 2.500 com a construção civil

Apesar de visitar obras, trabalho em um 
escritório, assim como boa parte das 
mulheres que estão na construção civil
Foto: Alan Teixeira

”Faça sozinha o orçamento dos materiais necessários para construir essa casa”, disse o chefe da loja de ferragens onde eu trabalhava, enquanto me mostrava o projeto de um imóvel. Daquela planta sairiam dois quartos, sala, cozinha e banheiro. Fiquei pasma!

Meses antes, eu via aqueles desenhos como um amontoado de rabiscos. Eu tinha 20 anos e muita curiosidade. Graças a ela, aos poucos conheci as peças usadas em uma construção. No momento em que peguei aquele projeto, tive certeza de que trabalharia na construção civil para sempre. E faço questão de indicar a carreira para as mulheres. O setor não para de crescer.

Na loja de ferragens, eu atendia os clientes, mas os orçamentos eram com o meu chefe. Ele calculava quanto material seria usado em um projeto. Depois, encomendava nas fabricantes.

Meu salário foi aumentando

Eu queria muito fazer aquilo. Nos intervalos na loja, enchia meu chefe de perguntas sobre os projetos que ele lia. O primeiro orçamento que fiz, morrendo de medo, foi aprovado pelo cliente. Um ano depois, estava craque!

Passei a trabalhar numa empresa que vendia todo tipo de material de construção. Eu avaliava os projetos, estimava as quantidades e pesquisava os preços nas fornecedoras.

Em 14 anos, troquei de emprego cinco vezes, e faço isso até hoje. Já fechei negócios para a construção de pontes, fábricas, usinas e até para o metrô de São Paulo. Quando me mudei para a capital paulista, recebia R$ 1.000 por mês. No meu último emprego, tirava R$ 2.500. Hoje estou em busca de novos desafios. Já recebi ofertas de emprego com salários ainda mais generosos!

Apesar de visitar obras, trabalho em um escritório, assim como boa parte das mulheres que estão na construção civil. Sei que algumas já atuam como pedreiras ou carpinteiras, mas ainda não conheci nenhuma. Por exigir força física, duvidam que as mulheres sejam capazes de exercer esse tipo de função.

Quero projetar a minha futura casa

Quando entrei na construção civil, desconfiavam das mulheres em qualquer cargo, inclusive de mim. Certa vez, fui a uma obra para ver se tinham recebido o material que encomendei. Perguntei ao engenheiro se estava tudo bem, mas ele fez de conta que não ouviu. Insisti, e ele disse que só se sentia seguro para falar com meu chefe. Deu raiva!

Hoje é comum ver mulheres nessa área. Eu mesma tive uma chefe que foi a engenheira mais competente com quem trabalhei. Sempre convivi com engenheiros porque eu não podia calcular sozinha a quantidade de material de uma obra.

Em 2008, depois de 12 anos de experiência, voltei a estudar porque queria aprender a fazer isso sozinha. Como já estava na área, fiz um curso técnico em Edificações, que concluí há seis meses. Agora posso projetar construções de até 80 metros quadrados, como minha futura casa. Por ironia do destino, ajudei a erguer diversos imóveis e ainda pago aluguel. Mas, se depender de mim, isso logo vai mudar.

Curso técnico garante salário inicial entre R$ 1.300 e R$ 2.000

A construção civil abrirá 180 mil novos empregos em 2010, de acordo com o SindusCon, a associação do setor. As vagas são resultado da alta procura por imóveis novos, gerada por programas de financiamento, como o ‘Minha Casa, Minha Vida’, e por investimentos em infraestrutura.

Continua após a publicidade

O mercado abrirá empregos para profissionais com vários níveis de estudo, inclusive para os técnicos, como a Fabíola, que fez o curso de Edificações.Com duração de até dois anos, o curso permite que a profissional chefie equipes de trabalho em uma obra e ajude o engenheiro a tomar suas decisões. ”São funções cada vez mais procuradas pelas mulheres porque não envolvem trabalho braçal”, explica Abílio Weber, do Senai São Paulo. O salário em início de carreira varia entre R$ 1.300 e R$ 2 mil. ”Com essa formação, dá para ganhar até R$ 4 mil”, diz.

Veja onde fazer cursos de até 2 anos

Curitiba – PR
Senai/Cietep
Mensalidade: R$ 290
Contato: (41) 3271-7777
www.pr.senai.br

Fortaleza – CE
IFCE
Custo: gratuito
Contato: (85) 3307-3659
www.ifce.edu.br

Estado de São Paulo
Etec-SP
Custo: gratuito
Contato: (11) 3471-4071
www.vestibulinhoetec.com.br

São Paulo – SP
Senai
Custo: gratuito
Contato: (11) 3528-2000
www.sp.senai.org.br

Faculdade Oswaldo Cruz
Mensalidade: R$ 385
Contato: (11) 3825-8344
secretariaetoc@oswaldocruz.br

Rio de Janeiro
Senai Tijuca
Mensalidade: R$ 321
Contato: 0800-0231231
construcaocivil@rj.senai.br

Oportunidade para pedreiras

Mulheres já atuam em cargos braçais e há cursos grátis para virar pedreira. No Rio de Janeiro, o projeto Mão na Massa dá aulas e certifi cado do Senai. Informações no http://www.maonamassa.org.br. Em Macaé (RJ), o curso da prefeitura abre inscrições em 1º/2. Informações no (22) 2762-4025. Em São Carlos (SP), a prefeitura abre inscrições em março. Informações no (16) 3374-3271.

CAT São Paulo
Vagas: 167
Funções: serralheiro, pintor
Inscrição: levar currículo até uma unidade do CAT

Catho Online
Vagas: 341
Funções: técnicos
Inscrição: www.catho.com.br

Elancers
Vagas: 150
Funções: desenhista, auxiliar de produção, eletricista
Inscrição: www.elancers.net

Emprega São Paulo
Vagas: 1.685
Funções: carpinteiro, soldador, técnico
Inscrição: 0800-7707378

Manager Online
Vagas: 5.486
Funções: supervisor,
laboratorista, projetista
Inscrição: www.manager.com.br

Continua após a publicidade
Publicidade