Reskilling: a competência da era da reinvenção!

"Aprendo coisas novas e adquiro novas habilidades quase todos os dias. Como faço isso com uma agenda tão corrida?"

O que tenho feito para me preparar para um futuro com infinitas possibilidades, com funções que hoje não existem e tecnologias que ainda serão inventadas? Esse cenário pode parecer e é mais do que desafiador. É inquietante, inseguro e imprevisível, mas a escolha é sempre nossa. Podemos ficar coagidos e paralisados diante da nossa incapacidade de enxergar e controlar o curso do mundo e, consequentemente, nossa relação com o mesmo. Posso me sentir impulsionada para bem longe de minha zona de conforto ou posso batalhar para expandi-la.  Qual é a minha decisão? Eu, particularmente, fico com a opção que me leva à constante reinvenção. Para isso, preciso aperfeiçoar e adquirir constantemente novas habilidades, o que atualmente é intitulado como Reskilling.

Aprendo coisas novas e adquiro novas habilidades quase todos os dias. Como faço isso com uma agenda tão corrida? Sendo aberta de verdade, me esforçando continuamente para enxergar sob a perspectiva de outras pessoas, mantendo minha mente atenta para ser capaz de escutar e não apenas formular respostas enquanto eu deveria ouvir. Uma evolução constante sem saltos, que segue no passo a passo, lentamente rumo ao infinito. Melhorar não tem fim. É constante mesmo, não há limites. Em minha visão, apesar do árduo trabalho, vale muito a pena porque nos amplia, nos torna maiores e melhores.

Não há desculpas para não aprender qualquer coisa que você realmente queira. Vivemos a realização do sonho da democratização do conhecimento. Tudo pode ser pesquisado em segundos e muito bem decupado com um pouquinho de visão crítica, maturidade e experiência. Se você quiser aprender qualquer coisa nova, não faltarão opções de canais com tutoriais fantásticos no Youtube. Adicionalmente, o conhecimento acadêmico está muito mais acessível com cursos online de qualidade, por um custo de investimento baixo quando comparado às aulas presenciais. Se você ainda quiser atuar em uma área que não tem experiência, poderá “aprender fazendo”  por meio de um entre os milhares de programas de voluntariado que temos por todo o país e demandam mão de obra que tenha apenas uma importante competência comportamental: muita vontade!

Eu mesma fiz isso! Durante um período sabático mas produtivo (precisei de algumas sessões de terapia para entender e aceitar esse momento e falar tão abertamente sobre o tema), mergulhei fundo em um antigo propósito: capacitar e empregar pessoas por meio de um projeto social. Ao longo dessa jornada descobri que poderia influenciar as pessoas muito além do que eu ousava imaginar. Realizei uma centena de palestras mesmo sem experiência e aprendi fazendo! Sou muito grata a todos que me deram essa oportunidade. Ressignifiquei um momento difícil para milhares de brasileiros, inclusive para mim, em um sabático super produtivo. Literalmente aquele velho ditado que fala sobre “fazer com um limão uma limonada”. Se for a suíça, com gelo, açúcar e um pouco de leite, melhor ainda, o que só foi possível porque me mantive o tempo todo disposta a aprender com tudo e todos à minha frente.

Recentemente, em contato com uma nova cultura, senti o desejo de aprender sua respectiva língua, o francês. E por que não!!!? Já comecei as aulas! Não será rápido e fácil falar um novo idioma, pouco familiar para mim, a essa altura da vida, com 47 anos, mas deixo aqui a minha ousadia por meio da prática de que nunca é tarde para começar, aprender e se reinventar.

Leia também: Período sabático e transformador

Siga CLAUDIA no Instagram.