Estudo sugere que amamos cachorros tanto quanto crianças

Áreas do cérebro ligadas à emoção foram ativadas de forma semelhante quando se tratava de filhos ou pets

Um estudo realizado por especialistas do Hospital Geral de Massachussets com mães de crianças sugere que é possível amar um cachorro na mesma proporção que se ama uma criança.

As mulheres que participaram da pesquisa também são donas de cachorros e seus filhos biológicos têm idades entre 2 a 10 anos.

VEJA os assuntos  que mais estão bombando nas redes sociais

Ao todo, 14 mulheres participaram da avaliação. Na primeira etapa, os cientistas perguntaram às voluntárias como era seu relacionamento com os filhos e com os animais. Depois, fotografaram as crianças e os cães em suas residências.

As mães foram então submetidas a exames de ressonância magnética para analisar a atividade cerebral enquanto viam uma série de imagens, entre elas a dos flhos e dos pets.

Constatou-se que houve semelhanças na forma como regiões do cérebro reagiam às imagens do filho e do pet. Áreas relacionadas a funções como emoção, recompensa, afiliação, processamento visual e interação social revelaram atividade elevada quando a participante via as fotos tiradas em sua casa.

“Apesar de ser um estudo pequeno, os resultados sugerem que uma região importante para a formação e manutenção de vínculos é ativada quando as mães veem fotos de seus filhos ou de seus pets”, afirma Luke Stoeckel, coautor do estudo e pesquisador do departamento de psiquiatria do Hospital Geral de Massachusetts.

Os pesquisadores destacam que pesquisas futuras serão necessárias para replicar essas descobertas em uma quantidade maior de pessoas. Também é necessário verificar se elas se mantêm em outras populações, como mulheres sem filhos, homens com filhos e pais de crianças adotadas, e também em relação a outras espécies de animais.

Leia mais: Luisa Mell dá abrigo a cão que foi atropelado por trem da CPTM

Astróloga faz mapa astral para pets

Relacionamento abusivo: saiba se você está em um no podcast Senta Lá, CLAUDIA