Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Denise Steiner Por DERMATOLOGIA A médica Denise Steiner é dermatologista, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia e doutora pela Unicamp

Alterações nas unhas podem ser sinal de doença. Saiba como identificar

Formato, relevo e coloração de suas unhas podem indicar que nem tudo vai bem com a sua saúde, aponta a colunista Denise Steiner

Por Denise Steiner Atualizado em 22 jul 2021, 13h37 - Publicado em 22 jul 2021, 13h30

A unha é um anexo cutâneo que tem íntima relação com a pele. Isso significa que ela pode refletir alterações internas nos órgãos, como coração, pulmão, rim e também nas glândulas, como tireoide e hipotálamo.

Por este motivo, é muito importante olhar a sua aparência, afinal mudanças nas mesmas podem significar o primeiro sinal de uma patologia. Na sequência, conheça alguns dos distúrbios que acometem o organismo humano e que podem ser sinalizados pela aparência das unhas.

Leuconiquia

Caracterizada por manchas brancas nas unhas, pode estar relacionada ao envenenamento por tálio e arsênico e também por deficiência da proteína albumina.

 

Unha
Foto/Divulgação
unha
Foto/Divulgação

Essas manchas podem caracterizar a “Unha de Terry”, onde toda a unha fica branca e há somente uma faixa rosada em sua extremidade. A alteração pode estar associada à cirrose hepática, insuficiência cardíaca congestiva e também diabetes mellitus.

unha
Foto/Divulgação

Já as que apresentam o aspecto “meio a meio”, em que metade das unhas são da cor branca e metade rosada, ocorrem em pacientes com insuficiência renal crônica.

unha
Foto/Divulgação

Linhas de Beau

São depressões transversais paralelas que podem ser únicas ou múltiplas e representam parada do crescimento da unha por agressão externa. Elas podem estar associadas a problemas, como infarto do miocárdio, miocardite, doença vascular periférica, diabete hipoparatiroidismo, tiro toxicose, linfomas e doenças infecciosas.

Continua após a publicidade
unha
Foto/Divulgação
unha
Foto/Divulgação

Braquioníquia

Ocorre quando a largura da unha é maior que o comprimento. A característica pode ser um alerta para insuficiência renal crônica, hiperparatiroidismo secundário e artropatia psoriática.

unha
Foto/Divulgação

Baqueteamento dos dedos

Relacionada à doença cardíaca congênita, insuficiência cardíaca congestiva e cirrose, essa alteração consiste na proliferação do tecido conjuntivo entre a matriz ungueal e a falange distal, responsável por esse alongamento das unhas.

unha
Foto/Divulgação

Coiloníquia

Também são chamadas de unhas em colher. Nesse caso, o seu formato é côncavo e tem as bordas laterais evertidas. Esta alteração está associada à deficiência de ferro, com ou sem anemia, desnutrição, hipotiroidismo e lúpus eritematoso sistêmico.

unha
Foto/Divulgação

Onicólise

É uma alteração em que a unha descola na extremidade, ficando com a coloração branca e amarelada e também apresentando descamação. Ela está relacionada com hiper e hipotiroidismo, doença vascular, diabete, anemia ferropriva, porfiria, carcinoma de pulmão, hanseníase, sífilis e medicamentos. As unhas ressecadas e fracas também podem apresentar onicólise.

unha
Foto/Divulgação
unha
foto/Divulgação

Onicomicose

A unha pode ser comprometida por fungos, que causam espessamento, mudança de cor e depósito de material subungueal.

unha
Foto/Divulgação

Melanoníquia

Uma unha que apresenta uma estria marrom ou preta pode ser um sinal de alerta para o câncer de pele melanoma. Além disso, a mudança de coloração ainda é provocada pelo uso de drogas, traumas e doenças que aumentam a pigmentação, como mal de Addison.

unha
Foto/Divulgação

Finalizo a coluna desta semana enfatizando a importância do cuidado com as unhas e frequente observação da sua aparência. Fica muito evidente que essa aparência representa um marcador das doenças internas, sendo muitas vezes um sinal precoce e importante para iniciar o tratamento.

Cuide-se!

  • Continua após a publicidade
    Publicidade