Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Conversa de Vó Natália Dornellas é jornalista, podcaster e ativista da longevidade. Procura por avós e avôs para prosear e histórias de #avosidade para contar. É criadora do podcast Conversa de Vó e cofundadora da plataforma 40+ AsPerennials

Aos 101 anos, Dona Maria trabalha como influencer de vinhos

Vendo a bisneta sair para trabalhar , ela quis voltar à ativa e conquistou a vaga numa vinícola

Por Da Redação Atualizado em 26 mar 2021, 16h47 - Publicado em 26 mar 2021, 18h00

Era só uma brincadeira, mas com um fundinho de verdade. Acostumada a ver a bisneta saindo para trabalhar no escritório de um frigorífico, em Promissão, SP, onde vive boa parte dos seus descendentes, Dona Maria disse que também queria voltar à ativa – aos 101 anos! – para poder comprar seus vinhos e sua carninha gorda, sem se preocupar com a aposentadoria, que chega com destino certo.

Atenta aos desejos da matriarca, a bisneta Pâmela Cristina providenciou rapidamente um currículo – o primeiro e único da vida dessa avó – e entregou ao RH da empresa onde trabalha, junto com uma mensagem sugerindo que sua bisa fosse entrevistada para uma vaga. A gerente do setor, claro, não se conteve e postou tudo nas redes sociais, gerando uma onda linda de admiração e solidariedade que começou com a chegada de garrafas de vinho à casa de dona Maria.

Dona Maria - Conversa de Vó
Dona Maria e seu currículo arquivo pessoal/Divulgação

E como coisa boa vem em cadeia, elas receberam o contato de uma vinícola que estava em busca de uma influenciadora, função que ela topou na hora. “Eu hoje trabalho na mesa de casa, provando os vinhos e as carnes”, me disse dona Maria, numa pequena entrevista que fizemos por vídeo. Tomar vinho é um hábito antigo pra ela, mas com parcimônia. “Sempre gostei, mas só na hora do almoço e da janta, tem as horas certas para tomar”, me disse sabiamente e ainda muito sem acreditar nas novidades.

A personagem de hoje da coluna criou 5 filhos (hoje são 17 netos, 27 bisnetos e 18 tataranetos) às custas de muito esforço. Ela começou a labuta ainda menina, aos 9 anos, na lavoura do café. Sua função era abanar os grãos, um trabalho pesado que a deixava exausta e toda suja de terra. “Quando ela nasceu, eu abanei 120 sacos de café. A colheita acabou no dia 5 de agosto, e, em 3 de setembro, minha filha, que hoje tem 78 anos, nasceu”, relembrou.

Enquanto conversávamos, uma equipe de dentistas chegou à casa de Dona Maria. Ela ganhou também uma prótese dentária e não vê a hora de mastigar suas carnes como não faz há anos. “A carninha agora vai ser bem mastigada”, disse feliz da vida.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade