Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês
Kika Gama Lobo Por Atitude 50 Focada na maturidade como plataforma pessoal, a jornalista Kika Gama Lobo escreve sobre as sensações e barreiras que as mulheres de 50 anos vivenciam

Novo pra quem?

A masturbação ainda é assunto inédito para muitas mulheres com mais de 50 anos, mas não deveria ser

Por Kika Gama Lobo - 22 jan 2020, 13h04

Pensou no ano que virou? Pensou naquele peguete? Pensou no look de cabelos mais cool da estação? E r r o u! Me refiro ao uso de vibradores na idade madura. Assunto batido, mas vejo que muitas balzacas ainda não se divertem com seus brinquedinhos. Deveriam.

Modelos incríveis, ergométricos, luxo no design e impecáveis na entrega – dublam o falo real. A masturbação na maturidade deveria ser como a musculação. Obrigatória. Sugiro pegar um espelhinho e olhar sua pepeca com atenção. Vai dizer que tem vergonha? A essa altura da vida? Pasmem, mas tem mulheres que nunca olharam de verdade para sua perseguida e não sabem o que um boa sabonetada pode fazer em suas entranhas. 

Gozar nos 50+ é tarefa hercúlea quando lá atrás não fizemos o dever de casa da libertação da fêmea que só existia para dar prazer ao macho. Hoje, invisíveis aos olhos masculinos, temos a chance de voltarmos para nós mesmas e nos deliciarmos com nossas carícias. Eu mesma me pego na auto-safadeza. Gosto de me tocar. De erotizar meu corpo meio flácido, lotado de pentelhos brancos, com cicatrizes de muitas dores, mas meu. Sou eu ali, nua, viva, sentindo todos os movimentos e espasmos de uma boa gozada. Vai por mim, se não experimentou o novo vibrador da praça, seja ele qual for, corre. Na internet tem boas ofertas. Basta um click.  

Publicidade