Clique e Assine CLAUDIA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

6 erros muito comuns que devem ser evitados na hora do sexo anal

Desde esquecer de trocar a camisinha até não saber que o ânus precisa ser "seduzido": veja quais são os seis descuidos mais comuns do sexo anal.

Por Alice Arnoldi
Atualizado em 19 abr 2023, 13h30 - Publicado em 5 jul 2019, 18h43

Quando o assunto é sexo, o primeiro passo é sempre ter em mente que você precisa ser sincera consigo e saber se realmente quer ter aquela experiência. Para isso, tente esquecer completamente a opinião da pessoa com quem você está e pense, primordialmente, no que você quer. Decidiu que quer experimentar o sexo anal, mas tem medo de cometer algum erro e sentir dor? Calma, pois separamos seis descuidos que devem ser evitados nesse momento para ter mais prazer e segurança na hora H.

Confira:

1. Penetrar sem antes ‘seduzir’ o ânus

Manter um ritmo gostoso é essencial para alcançar o orgasmo, só que o sexo anal exige um “passo a passo” importante até que esse clima seja criado. Além da importância do tesão estar intenso no momento, a primeira etapa para conseguir fazer a penetração é entender que o ânus precisa ser estimulado da forma correta, como explica Tatiana Presser, psicóloga, sexpert e educadora sexual, no livro “Vem Transar Comigo”.

Esse jeito certo envolve saber que a região tem dois esfíncteres – estruturas musculares que contornam o orifício e são responsáveis pela abertura e fechamento do ânus. O primeiro é controlado voluntariamente pela pessoa e, para ele ser abrir, é necessário o relaxamento mental e a vontade de sentir prazer anal.

Já o segundo é comandado pelo sistema nervoso central e precisa ser incitado com mais paciência. Isso significa que o pênis, ao tocá-lo, deve ficar parado ali até que o corpo entenda que deve abri-lo. Esse processo demora de 40 segundos a um minuto.

Continua após a publicidade

Mas como saber que o pênis chegou ao segundo esfíncter? Você sentirá uma resistência, como uma portinha fechada.

Vale lembrar que não adianta forçá-lo e que paciência é essencial quando o assunto é sexo, especialmente o anal.

2. Esquecer que o reto não é exatamente reto

Na verdade, o reto é curvo – e isso exige que o pênis esteja um pouco inclinado para cima depois de passar pelos dois esfíncteres.

Continua após a publicidade

“Muitas vezes – dependendo da inclinação – o pênis bate em um ângulo do reto, provocando uma dor horrível. Se isso acontecer, desculpe querido, mas será preciso começar tudo de novo. Seduza o ânus para passar pelo primeiro esfíncter, “encoste na parede” até receber o ok, para passar pelo segundo e, desta vez com o pênis em um ângulo diferente, tente lentamente avançar”, enfatiza Tatiana.

A especialista também explica que é só a partir da passagem do reto que você e o parceiro podem aumentar a intensidade da penetração e até mesmo mudar de posição.

3. Tentar, logo de cara, fazer sexo anal de quatro

Ainda que a posição de quatro seja sempre vendida como uma ótima ideia pelos pornôs, na prática não é assim que funciona. Como explica Carolina Ambrogini, ginecologista e sexóloga, essa posição é indicada para penetrações profundas e não para as primeiras tentativas de sexo anal, já que elas exigem calma e uma delicadeza extra. 

Continua após a publicidade

Tatiana e Carolina são unânimes em aconselhar a posição “de ladinho”. Com a ajuda de toda a extremidade lateral do corpo posicionada na cama, a mulher pode controlar a intensidade da penetração, além de a posição permitir o estímulo da região clitoriana ao mesmo tempo. Inclusive, outra uma dica da ginecologista é o uso dos dedos para começar o sexo anal ou plug anal antes de introduzir o pênis.

Outra posição indicada pela especialista é a de bruços com um travesseiro na região pélvica, ou seja, abaixo do umbigo, para que as nádegas possam ser levemente levantadas. Quer conhecer mais posições? Clique aqui.

erros no sexo anal
Sexo anal pode ser prazeroso, mas é preciso tomar alguns cuidados – como escolher a posição correta. (miljko/Getty Images)

4. Usar a mesma camisinha para o sexo anal e vaginal

No meio do caminho, decidiram mudar o tipo de sexo e passar para o vaginal? Hora de trocar a camisinha! Independentemente de qual seja a relação sexual, o uso do preservativo é sempre indicado. Mas no sexo anal, a atenção precisa ser redobrada.

Esse alerta é importante porque a penetração anal também é uma forma de acontecer a transmissão de infecções sexualmente trasmissíveis, as ISTs. E mais: se houver penetração vaginal após a anal sem que a camisinha seja trocada ou o pênis higienizado, há muito mais chances de que a mulher venha a ter infecção urinária. Isso porque a bactéria responsável por esse tipo de infecção, a Escherichia coli, está presente no ânus em grande quantidade. 

Além disso, a camisinha é o método que ajuda a proteger o órgão masculino de estar em contato com bactérias presentes no ânus. 

Continua após a publicidade

5. Esquecer do lubrificante

“Lubrificante, lubrificante e, quando cansar, mais lubrificante!”. É assim que Tatiane frisa a importância desse aliado na prática do sexo anal. Isso porque, diferentemente da vagina, o reto e o ânus não têm lubrificação natural.

Vale lembrar que, mesmo sem a lubrificação natural, a penetração (quando feita direitinho) não deve doer. “Claro que você pode sentir um desconforto, ou pode achar a sensação estranha e até mesmo desagradável. Quem não tem prática poderá demorar um pouco para que essas sensações diminuam, mas elas vão diminuir, uma vez que você saiba o que está fazendo. Desconforto e estranhamento são aceitáveis e até esperados, mas dor não”.

Já em relação a qual tipo de lubrificante usar, Tatiana indica os que são feitos à base de água, porque eles não alteram o pH do ânus e não danificam a camisinha. Também são indicados para os brinquedos sexuais, porque não estragam os sex toys. Fica a dica, caso você queira testar o sexo anal de outro jeito!

Continua após a publicidade

6. Usar anestésicos para a penetração

O sexo anal é associado com dor, por isso muitas pessoas acabam recorrendo a anestésicos em pomada – como xilocaina – para tentar a penetração. Só que essa escolha é altamente perigosa e contra-indicada.

“A pessoa pode ter uma penetração mais profunda [do que a ideal] e se machucar. A dor é um sinal de alerta, de que tem algo errado. Se a pessoa ficar anestesiada, pode machucar a região anal e ela não vai perceber”, explica Carolina.

Portanto, a dica que se mantém é usar lubrificante e entender que a sensação de estranheza é normal. Mas, caso haja dor, é preciso parar e decidir se você quer tentar de novo, começando do zero, ou deixar a experiência para um outro dia.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de 14,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.