Vício em jogo: drama de “A Força do Querer” é problema real

Saiba como agir caso perceba uma situação similar na família ou no grupo de amigos

Para dar vida a Silvana, da novela A Força do Querer, Lilia Cabral mergulhou profundamente no mundo dos jogadores compulsivos. Na trama, a arquiteta é viciada em pôquer e chega a enganar, forjar situações e envolver pessoas próximas em suas mentiras para continuar frequentando as mesas verdes.

De ficção, apenas o cenário do folhetim: o vício em jogos, especialmente os de azar, é uma realidade. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), em sociedades urbanas desenvolvidas, 3% da população enfrenta problemas relacionados à compulsão, como dívidas ou desentendimentos familiares, e 2% são efetivamente doentes.

 

Ainda de acordo com a OMS, 80% das pessoas fazem uma aposta, ao menos, uma vez ao ano. Então, o que diferencia o jogo que vicia do jogo que não vicia? “Quanto maior o intervalo entre a aposta e o resultado, menos viciante é o jogo. O resultado das loterias demora uma semana para sair. Então elas não são um grande problema. Nos jogos eletrônicos, o tempo é de microssegundos. A rapidez alimenta a compulsão”, explica Hermano Tavares, psiquiatra e fundador do Ambulatório do Jogo Patológico e outros Transtornos do Impulso (AMJO), do Instituto de Psiquiatria da USP.

Associado a isso, temos os gatilhos de bem-estar naturais de nosso organismo. “Psicologicamente, estamos predispostos a desejar viver em níveis que nos levem a sentir prazer. Biologicamente, somam-se ainda as substâncias relacionadas à sensação de recompensa, como a dopamina, que potencializam o quadro”, explica a psicóloga Sarah Lopes, da clínica Hapvida Saúde, de Sergipe.

(Reprodução/Rede Globo)

A linha tênue entre um hobby querido e a compulsão

Os sintomas do vício variam de indivíduo para indivíduo, mas alguns quadros se repetem. Em geral, mentiras envolvendo a frequência da competição e o valor investido são os primeiros indícios de que algo está errado. “Nessa hora, a família deve observar, sem agressividade, para evitar que o apostador se afaste mais ou entre em uma rede de mentiras sem fim”, aconselha Sarah.

Já para quem joga, o sinal vermelho acende quando o momento de parar começa a tornar-se algo sofrido. “O gosto por determinada atividade deve ser visto como algo saudável e gostoso. Se a hora de parar começa a exigir um controle maior, é preciso atenção”, alerta.

Tem tratamento?

A manifestação desses esse sinais é motivo para procurar ajuda clínica. O tratamento dependerá do grau de envolvimento do apostador. “A Terapia Cognitiva Comportamental costuma ser a mais eficiente. Entretanto, se a pessoa está em um estado em que não consegue perceber os danos, pode-se partir para uma avaliação psiquiátrica”, finaliza Sarah.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s