Mitos e verdades sobre os 1000 primeiros dias do bebê

O período que contabiliza os 270 dias da gestação e os 730 dias dos dois primeiros anos de vida da criança são o período-chave para o futuro do seu filho

Os primeiros 1 000 dias de vida do bebê traduzem um período-chave que pode influenciar o futuro da criança. É o que contam as pediatras Roseli Sarni e Fabíola Suano no novo livro de SAÚDE De 0 a 1000 – Os Dias Decisivos do Bebê (Abril, R$ 29,90), disponível em bancas, livrarias e e-commerces de todo o Brasil.

Esse período, que contabiliza os 270 dias da gestação e os 730 dias iniciais da vida do bebê, é crucial para o desenvolvimento da criança porque seu organismo está mais suscetível às influências do ambiente nessa fase da vida.

Por isso, é importante seguir algumas recomendações que trazem benefícios a longo prazo aos filhos, como as relacionadas a uma boa nutrição – indicadas, inclusive, pelo programa 1000 Days, da Organização das Nações Unidas (ONU), criado em 2010, que visa a promoção da saúde das gestantes e o estímulo ao aleitamento materno, entre outras ações contra a desnutrição.

Mas o que de fato podemos ou não fazer nesse período em relação aos cuidados com nossos filhos? O que é mito e o que é verdade? Para sanar as dúvidas, listamos recomendações das duas médicas sobre as melhores condutas nos primeiros 1 000 dias de vida do bebê.

É preciso mudar o antigo estilo de vida com a chegada do bebê

Verdade. De acordo com as médicas, é preciso ter consciência de que tudo vai mudar quando for tomada a decisão de  ter filhos. Elas aconselham a encarar esse momento como uma boa oportunidade para começar a adotar hábitos mais saudáveis, como diminuir o açúcar, o sódio e a gordura das refeições preparadas em casa e dar preferência a hortaliças e frutas.

A alimentação saudável, além de balancear os níveis de nutrientes no organismo, ajuda na redução de gordura – que também pode ser estimulada com exercícios físicos regulares.

As autoras também alertam as futuras mamães sobre a ingestão de bebidas alcoólicas no dia a dia. Embora o álcool não seja inimigo incondicional do organismo, pode acarretar problemas à gestação em momentos-chave – como na fase do desenvolvimento do sistema nervoso do feto.

Gestantes podem praticar exercícios físicos

Verdade. A grávida ativa gasta calorias na medida certa e fica cheia de disposição para as tarefas do dia a dia e pronta para o retorno à rotina pós-parto, apontam as pediatras.

Além disso, as atividades são benéficas para o bebê, que tende a nascer com peso e tamanho adequados.

Os hábitos da mãe influenciam na configuração do DNA do bebê

Mito. Embora condições como stress, tabagismo e alcoolismo tenham o poder de regular e ativar os genes, as maiores evidências científicas apontadas pelas especialistas mostram que certos nutrientes e substâncias vindos dos alimentos são os que, de fato, são capazes de mexer com a leitura do DNA do embrião.

O homem deve cuidar da saúde com a chegada do bebê

Verdade. O pai é um dos protagonistas nos primeiros 1 000 dias da criança e seu estilo de vida influencia na saúde do bebê, apontam Roseli e Fabíola.

Por isso, é importante que o homem mantenha atividades físicas regulares, não fume e tenha uma alimentação regrada.

Um estudo da Universidade de São Paulo em parceria com o Georgetown Lombardi Comprehensive Cancer Center, nos Estados Unidos, observou que a alimentação paterna pode influenciar no desenvolvimento de câncer de mama nas filhas.

Para chegar a essa conclusão, os cientistas ofereceram uma dieta rica em banha de porco a um grupo de roedores, a outro uma ração feita de óleos vegetais e a um terceiro uma dieta-padrão.

Os estudiosos observaram que a maior incidência de tumores ocorreu nos filhotes fêmeas de roedores que se alimentaram de banha, em comparação com as demais.

Leia mais: Pressão baixa na gravidez é natural! Veja dicas de como aliviar as crises na gestação

Engordamos porque comemos por dois

Mito. Os guias mais modernos de alimentação preconizam uma alimentação balanceada como um todo, sem enaltecer nem depreciar ingredientes ou alimentos específicos para a dieta da gestante. Mas é importante lembrar que a grávida não pode comer por duas pessoas.  Afinal, naturalmente a mulher já ganha peso devido à alteração hormonal do organismo.

Os quilos extras, além de prejudicar a mãe, contribuem para alterações no metabolismo do feto. A obesidade, portanto, chama a atenção quando ocorre.

Gelo ajuda a atenuar os enjoos

Verdade. Recorrer a gelo ou a alimentos gelados pode amenizar as náuseas provocadas pelo aumento dos níveis de progesterona, estrogênio e hCG, muito comum nos primeiros três meses de gravidez.

Outra dica é fracionar a alimentação ao longo do dia: fazer refeições pequenas e frequentes e evitar o jejum.

Bebês ouvem o que falamos

Verdade. A orelhas se formam no primeiro trimestre de gravidez e, após o quarto mês de gestação, o bebê já tem a audição desenvolvida.

A partir daí, é possível conversar com ele, o que contribui com o desenvolvimento de sua linguagem.

A criança pode comer alimentos sólidos aos 5 meses de vida

Mito. Os alimentos sólidos são permitidos somente a partir do sexto mês porque é nessa etapa que a criança se torna apta a amassá-los com a língua – mesmo não tendo dentição – e seu sistema digestivo se encontra mais maduro.

Além disso, nessa fase o leite materno já não supre as necessidades nutricionais do bebê, que precisa de reforços externos para complementar a dieta.

A gravidez altera nossas emoções

Verdade. A enxurrada de hormônios a que a mulher é submetida durante a gravidez (como estrogênio, progesterona e lactogênio placentário) e após o parto (prolactina) interfere no aspecto emocional.

O corpo pode enviar sinais falsos da hora do parto

Verdade. O corpo costuma dar sinais do tão aguardado desfecho da gravidez. A barriga tende a baixar, por exemplo, porque o bebê se encaixa e fica na posição para nascer.

Outro sinal que o organismo envia são as contrações uterinas.  É importante, porém, diferenciar as contrações reais das falsas, conhecidas como contrações de Braxton-Hicks.

Para que você saiba identificá-las, a dica é atentar para a frequência e a dor que elas provocam. As contrações legítimas são ritmadas e ficam intensas com o passar do tempo. As falsas são fracas e curtas (há mulheres que nem as percebem).

Leia mais: Gravidez e zika vírus: com medo e pouca informação, 90% das mulheres querem mais exames

O pós-parto interfere no estado emocional da mãe

Verdade. Conhecido como puerpério, o pós-parto provoca modificações no organismo da mulher. O útero, aos poucos, volta ao tamanho normal e os demais órgãos se reacomodam. Os níveis hormonais também se alteram, provocando certa melancolia na mãe.

A criança não deve ser matriculada na escola antes do primeiro ano de vida

Mito. As crianças de hoje vão à escola bem antes do primeiro aniversário – diferentemente das de antigamente, que costumavam ingressar nas unidades de ensino aos 4 ou 5 anos.

A angústia dos pais nesse momento é normal, comentam as médicas no livro. O cuidado é para que isso não repercuta no filho e desperte nele o sentimento de que está sendo abandonado ou deixado sozinho no local.

O ideal é que os pais se mantenham tranquilos e passem para a criança a sensação de segurança para iniciar essa nova etapa da vida.

O leite materno é importante para o bebê

Verdade. O aleitamento é essencial para a alimentação das crianças e deve ser feito de modo exclusivo até os 6 meses e complementado com outros alimentos até 2 anos ou mais.

Leia mais: Aleitamento materno previne a obesidade infantil

 

Podemos estimular o cérebro do bebê nos primeiros 1 000 dias de vida

Verdade. Até o segundo ano de vida, o cérebro apresenta uma plasticidade incrível que favorece o aprendizado. Os neurônios estão a todo vapor para realizar sinapses e moldar o sistema nervoso.

Estimular emoções e reações do bebê com o meio em que vive é importante, mas não se deve atropelar etapas. Leve em consideração a faixa etária da criança para não confundir seu desenvolvimento motor e suas capacidades cognitivas.

Longos períodos de sono são fundamentais para o bebê

Verdade. Dormir é essencial nos primeiros 1 000 dias do bebê. É durante o sono que acontecem as sinapses entre os neurônios do cérebro. Ele também traz ganhos na atenção, na memória, na aprendizagem, no controle emocional e nas habilidades motoras.

Avós podem interferir na criação dos netos

Mito e verdade. A troca de experiências e a transmissão de conhecimentos são muito bem-vindas com a chegada do novo integrante da família. E é por isso que a presença dos avós costuma ser muito agradável nesse momento.

Contudo, às vezes eles agem de maneira equivocada – sem intenção – e acabam desautorizando os pais diante dos netos.

As autoras recomendam, nesse caso, chamá-los para conversas com delicadeza, em que se esclareça o que não é de agrado dos pais para que sejam dosados o SIM e o NÃO, por exemplo, em caso de avós permissivos demais.

Leia mais: Gravidez tardia e fertilidade: especialista responde dúvidas

 

Assine a nossa newsletter e fique por dentro de todas as novidades!

Newsletter Conteúdo exclusivo para você
E-mail inválido warning
doneCadastro realizado com sucesso!
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s