Crianças mais conectadas se sentem menos felizes, afirma estudo

Pode parecer difícil quantificar a felicidade dos pequenos nas redes, mas o excesso de conectividade pode trazer mais malefícios do que se pode imaginar

Um grupo de pesquisadores da Universidade de Sheffield, na Inglaterra, a fim de quantificar a influência das redes sociais no bem-estar das crianças, analisou dados de aproximadamente quatro mil crianças de 10 a 15 anos de idade levantados entre 2010 e 2014 pelo censo UK Household Longitudinal Study – o qual leva em consideração fatores econômicos, sociais, comportamentais e ligados à saúde das pessoas do Reino Unido.

O resultado do estudo, apesar de assustador, não parece causar tanto espanto: os pesquisadores observaram que, quanto mais tempo as crianças passam nas redes sociais, menos felizes elas ficam e as chances delas estarem satisfeitas e contentes com as próprias vidas diminui em 14% a cada hora que passam trocando mensagens via WhatsApp ou nas timelines do Instagram, Facebook ou Twitter – esse número é três vezes maior do que o apontado para crianças que vivem com pais separados.

Leia mais: Mitos e verdades sobre como os jovens usam a internet

Com base nos resultados, os pesquisadores afirmaram que as redes sociais possuem grande impacto em partes fundamentais do crescimento dos pequenos. A maior conectividade faz com que as crianças encarem a vida de maneira mais triste, o que pode influenciar a felicidade das crianças nos ambientes escolar, tanto com relação ao desempenho quanto à frequência, e familiar, sobretudo quando se trata das relações com os parentes; na autoestima e na aparência.

Com relação à autoestima, quem mais sofre esses impactos são as meninas, que geralmente são mais ligadas à aparência e às questões escolares. Já os meninos, que são mais felizes na questão do rendimento na escola, não são satisfeitos com suas amizades.

Leia mais: Como orientar os filhos a usarem internet de maneira segura

Para tentar minimizar esses efeitos, uma vez que as redes sociais não tem controle rigoroso e eficiente quando se trata da entrada de crianças nas redes, é recomendado que os pais intervenham. No entanto, uma pesquisa realizada para o canal infantil da BBC UK descobriu que mais de 75% das crianças entre 10 e 12 anos têm suas próprias contas nas redes sociais. Com smartphones e outras tecnologias cada vez mais presentes – e cada vez mais cedo introduzidas – na infância, é difícil impedir que os pequenos se tornem heavy users dessas redes.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s