O porquê da vitória de Simone Manuel ir muito além do ouro

Nascida em um país em que apenas 50 anos atrás não poderia frequentar piscinas e praias, a atleta olímpica se tornou, com suas fortes braçadas e agilidade aquática, uma campeã histórica

Dois ouros e duas pratas. Estas foram as medalhas que a afro-americana Simone Manuel, texana de apenas 20 anos, carregou sobre seu peito após atingir a primeira e a segunda colocações nas categorias de 50m livre, 100m livre e revezamentos 4x100m medley e livre feminino. 

Leia mais: “Não sou a próxima Bolt ou Phelps. Sou a primeira Simone Biles”​.

Mas ter sido laureada com as condecorações mais altas da natação nos Jogos Olímpicos de 2016 vai além das superações físicas e psicológicas da atleta: ser a primeira atleta negra que venceu uma competição olímpica diz muito mais sobre a comunidade negra norte-americana do que qualquer livro de história seria capaz de fazê-lo. 

Veja também: Simone Manuel dedica vitória inédita ao fim da violência policial.

Nascida em um país em que apenas 50 anos atrás não poderia frequentar piscinas e praias, a atleta olímpica se tornou, com suas fortes braçadas e agilidade aquática, uma campeã histórica. Não viveu numa época em que havia bebedouros divididos para negros e para brancos, mas pôde sentir arder na cor de sua pele o rebento das amarras discriminatórias que impediram suas ancestrais de alcançarem a primeira colocação no pódio. 

Leia mais: Jogadora Formiga: “Troco ouro por mais mulheres nos grandes clubes”.

É proibida a entrada de negros

Uma das fotografias mais famosas da história da luta por igualdade dos direitos civis, nos Estados Unidos, registra o exato momento em que James Brock — gerente do hotel Monson Motor — jogou ácido muriático num grupo de jovens. Eles entraram na piscina do estabelecimento como forma de protesto por ser destinada apenas ao uso de hóspedes brancos — mas para o alívio dos que estavam na piscina, a quantidade da substância era irrisória quando comparada ao volume de água.  

Veja também: “É como se tivéssemos perdido um membro da família”, diz goleira da seleção brasileira sobre derrota​.

Horace Cort

Horace Cort

O clique foi feito em 18 de junho de 1964, pelo fotógrafo Horace Cort, na mesma época em que Martin Luther King havia sido preso por ter se recusado a sair do restaurante localizado no complexo hoteleiro, na cidade de Saint Augustine, Flórida. A partir deste episódio, conhecido como “Incidente do Hotel Monsor Motor”, uma onda de protestos pacíficos foram organizados a fim de boicotar as políticas separatistas da época — assim chamadas por segregar pessoas pela sua cor. 

Leia mais: Mãe da ginasta Gabby Douglas: “parem de humilhar a minha filha”​.

Quase meio século depois, a jovem nadadora venceu o estereótipo enraizado na cultura norte-americana de que negros não sabem nadar. E mais: Simone é a prova pulsante de que a mulher negra existe perante a representatividade esportiva de seu país. E acima de tudo, resiste.

Veja também: Rafaela Silva é ouro para o Brasil! Conheça sua história de superação​.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s